Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,51 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,10 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,45
    -0,70 (-0,97%)
     
  • OURO

    1.821,90
    -39,50 (-2,12%)
     
  • BTC-USD

    38.700,71
    -1.418,85 (-3,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    961,20
    -31,27 (-3,15%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,63 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.314,99
    -121,85 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.958,07
    -332,94 (-1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.908,75
    -72,50 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0750
    +0,0130 (+0,21%)
     

Rio Bravo vê limite para apreciação cambial e espera mais crescimento econômico, inflação e juros

·2 minuto de leitura
Moedas de reais retratadas no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A gestora Rio Bravo revisou suas projeções para variáveis econômicas nesta terça-feira, passando a ver mais crescimento e inflação e prevendo que o Banco Central será forçado a promover ainda neste ano quase todo o aperto monetário previsto até o fim de 2022.

A projeção do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre passou de retração de 0,5% (na margem) para crescimento de 0,4%. Para 2021, a estimativa agora é de expansão de 4,0%, ante 3,2%. Em 2022, o PIB avançará 2,0%.

Com o crescimento econômico mais forte virá também mais inflação, que ficará em 5,1%, acima dos 4,8% da previsão anterior e com viés de alta. Em 2022, o IPCA subirá 3,5%.

A Rio Bravo avalia que os preços continuam numa "espiral de alta", tendo como principal fonte de pressão os preços internacionais das commodities, mas também a depreciação da taxa de câmbio, causada sobretudo pelo risco fiscal, na avaliação da gestora.

"Ainda vemos um limite para a apreciação do câmbio até o final do ano. Sem novidades estruturalmente relevantes para o controle fiscal, o câmbio continuará subvalorizado", disse a Rio Bravo em relatório, que lista ainda como fator relevante para o real a discussão eleitoral sobre 2022.

O diferencial de juros entre o Brasil e o mundo entrou na conta do "estresse cambial". Mais recentemente, o BC começou um processo de "normalização parcial" da política monetária, cláusula que, segundo a Rio Bravo, é questão de tempo que caia, já que as expectativas de inflação para 2022 já se encontram acima da meta --a pesquisa Focus mostra estimativa de 3,64%, acima da meta de 3,50%.

A previsão da Rio Bravo é que o BC eleve a Selic para 6,25% ao fim de 2021 e que faça um ajuste marginal para 6,50% até dezembro de 2022. A taxa básica de juros está atualmente em 3,5%.

A piora nas perspectivas para os preços pode ter pouco alívio da percepção de hiato do produto ainda negativo, uma vez que, de acordo com a gestora, a economia hoje não estaria tão longe de seu crescimento potencial, como se imaginava anteriormente.

Apesar do combo economia mais forte, inflação mais alta e juros voltando ao "normal", os profissionais da Rio Bravo avaliam que a retomada da vida segue distante.

"A pandemia seguirá no radar até pelo menos o quarto trimestre deste ano, quando a vacinação deve avançar com mais força. Até lá, teremos mais pressão para gastos mantendo o risco fiscal elevado."

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos