Mercado fechará em 4 h 16 min

Rio antecipa para 21 dias a segunda dose da Pfizer para maiores de 50 anos

·3 minuto de leitura

A prefeitura do Rio anunciou nesta segunda-feira que vai reduzir de 12 semanas para 21 dias o intervalo de aplicação da vacina Pfizer para maiores de 50 anos a partir desta terça-feira. Segundo o município, 23 mil pessoas nesta faixa etária só receberam a primeira dose do imunizante. O intervalo de 21 dias é o menor previsto na bula da Pfizer. Uma pesquisa da Universidade de Oxford realizado com 503 profissionais de saúde mostrou, no entanto, que o intervalo ideal entre as duas doses da vacina contra a Covid-19 da Pfizer é de oito semanas.

A pesquisa analisou a resposta imunológica à vacina Pfizer variando de um intervalo de dosagem de três a 10 semanas. O intervalo mais longo mostrou algumas vantagens: os níveis de anticorpos neutralizantes foram duas vezes mais altos com o intervalo de 10 semanas do que com o de três semanas para todas as variantes, incluindo a Delta; o regime mais prolongado também melhorou a resposta das células T auxiliares, que suportam a memória imunológica. Uma desvantagem, porém, para o intervalo mais longo, foi um declínio nos níveis de anticorpos entre a primeira e a segunda doses, em particular contra a variante Delta, deixando as pessoas mais desprotegidas entre a primeira dose e a segunda.

A bula hoje registrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) preconiza um intervalo entre doses, preferencialmente, de 21 dias. Segundo a Pfizer, a “segurança e eficácia da vacina não foram avaliadas em esquemas de dosagem diferentes”, mas “as indicações sobre regimes de dosagem ficam a critério das autoridades de saúde e podem incluir recomendações seguindo os princípios locais de saúde pública”.

Oito meses depois da primeira vacina contra a Covid-19 ser aplicada em uma cerimônia no Cristo Redentor, a cidade do Rio atingiu nesta segunda-feira a marca de 99% da população adulta imunizada com a primeira dose contra o coronavírus. Se considerados os cariocas acima de 12 anos, a cobertura vacinal com a primeira dose chega a 95%.

No total mais de 8,6 milhões de vacinas contra a Covid-19 foram aplicadas no município do Rio, sendo 5,3 milhões de primeiras doses. Na capital, quase 62% dos adultos já completaram o esquema vacinal com duas doses ou dose única.

Entre os idosos, mais de 23 mil já receberam a dose de reforço, que começou a ser aplicada neste mês. Nesta semana na cidade do Rio, recebem a terceira dose quem tem de 89 a 84 anos, escalonadas com um dia por idade até o próximo sábado.

Os efeitos da vacinação avançada já refletem nas internações na cidade. Na tarde desta segunda-feira, 559 pessoas estão internadas na rede pública da capital com o coronavírus. O valor é o menor desde abril de 2020, apesar de no momento ser maior em internações em UTI. A mudança no perfil de internação ocorreu ainda na terceira onda da doença no Rio com a chegada da variante Gamma, quando a solicitação por leitos de UTI ultrapassou a de enfermaria.

A Prefeitura do Rio de Janeiro confirmou que retoma a vacinação contra a Covid-19 para adolescentes nos próximos dias. De acordo com o calendário divulgado pela Secretaria municipal de Saúde (SMS), a retomada da imunização desse grupo será para meninas de 13 anos, na quarta e na quinta-feira, e para meninos da mesma idade na sexta-feira.

Apesar da determinação do Ministério da Saúde para que sejam vacinados contra o coronavírus apenas adolescentes com comorbidades, a capital carioca dá continuidade na aplicação das doses — feita apenas com Pfizer — de todo o grupo, que será atendido de 12 a 17 anos. Outras cinco cidades fluminenses também confirmaram prosseguir com a imunização para essa parcela da população.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos