Mercado fechado

Ricos dos EUA tentam proteger fortunas antes que Biden vença

Ben Steverman
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Famílias ricas dos EUA estão ouvindo de seus consultores que devem agir agora ou correm o risco de perder milhões de dólares.

Este seria o cenário caso o Partido Democrata reconquiste a Casa Branca e a maioria no Senado nas eleições de novembro. O ex-vice-presidente e candidato democrata Joe Biden propôs impostos substancialmente mais altos para os ricos, incluindo eliminar formas de escapar de um imposto de 40% sobre grandes fortunas.

Ao transferir bens para a próxima geração agora, os ricos podem aproveitar as generosas regras tributárias para heranças que foram introduzidas pelo presidente Donald Trump.

Mudanças na legislação tributária implementadas pelos republicanos em 2017 dobraram a quantia que as famílias ricas podem passar adiante sem pagar o imposto. O limite é de US$ 11,58 milhões para indivíduos e de US$ 23,16 milhões para casais este ano. Consultores experientes podem proteger muito mais do que isso usando técnicas de planejamento complexas — “brechas”, no entendimento de muitos democratas — que o governo Trump se recusou a banir.

“Temos recomendado que as pessoas escolham entre usar ou perder”, disse Jere Doyle, estrategista de planejamento de heranças da BNY Mellon Wealth Management. “É a era de ouro do planejamento de heranças para muita gente. Pode não haver nada parecido novamente.”

Se os americanos ricos esperarem e não fizerem nada até que o resultado das eleições fique claro, eles podem perder essa chance, afirmam os consultores.

Leva tempo para montar fundos de herança, decidir quais ativos devem ser doados e avaliar negócios e bens como obras de arte.

Planejadores e advogados esperam trabalhar bastante se acontecer uma grande vitória democrata, a chamada “onda azul”, em referência à cor associada ao partido.

“Se houver uma onda azul, as pessoas terão dificuldade até para encontrar advogados para atendê-las”, disse Edward Renn, sócio do escritório de advocacia Withers. “Haverá enorme demanda. Por isso estamos dizendo às pessoas que venham agora e que temos tempo para elas agora.”

Biden ainda não divulgou um plano tributário detalhado, mas já propôs várias maneiras de aumentar a arrecadação — quase todas voltadas para indivíduos ricos e grandes corporações — a fim de cobrir gastos extras com saúde, infraestrutura e na luta contra a mudança climática. No mês passado, a Moody’s Analytics estimou que os eventuais acréscimos de impostos por Biden — incluindo alíquotas maiores para corporações e indivíduos que ganham mais de US$ 400.000 por ano — trariam US$ 4,1 trilhões em 10 anos. A redução da faixa de isenção de imposto sobre patrimônio e doações para o patamar que estava em 2009 (US$ 3,5 milhões) resultaria em US$ 267 bilhões.

Donos de grandes fortunas já estão correndo contra o tempo.

As isenções de impostos sobre heranças estabelecidas pela legislação tributária de 2017 terminam em 2026, quando devem cair pela metade.

A ideia de doar boa parte do patrimônio a filhos e netos preocupa alguns milionários. Uma alternativa popular entre esses clientes é o fundo de acesso permanente para cônjuges (conhecido pela sigla SLAT), que permite que um indivíduo transfira sua riqueza, mas que a esposa ou marido tenha acesso ao dinheiro. Os SLATs “são o sucesso do momento, para dizer o mínimo, entre os casais”, disse Marshall Rowe, responsável por serviços para proprietários de empresas do Colony Group.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.