Mercado fechará em 5 h 29 min
  • BOVESPA

    127.741,83
    -315,39 (-0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.036,58
    -166,22 (-0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    +1,00 (+1,41%)
     
  • OURO

    1.772,20
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    36.790,55
    -2.034,79 (-5,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    909,07
    -30,88 (-3,28%)
     
  • S&P500

    4.176,72
    -45,14 (-1,07%)
     
  • DOW JONES

    33.331,95
    -491,50 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.031,48
    -121,95 (-1,70%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9876
    +0,0251 (+0,42%)
     

Ricos devem enfrentar impostos mais altos após salto de fortunas

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O fundador da Amazon.com, Jeff Bezos, tem dinheiro para voar ao espaço. Elon Musk, fundador da Tesla, também.

Mas, de muitas maneiras, os mais ricos deixaram para trás a maior parte do mundo há muito tempo.

Os 500 indivíduos mais ricos do mundo agora possuem uma fortuna US$ 8,4 trilhões, um aumento de mais de 40% no ano e meio desde que a pandemia começou a devastar o mundo. Enquanto isso, os maiores vencedores da economia, as empresas de tecnologia que criaram muitas dessas fortunas, pagam taxas de impostos mais baixas do que balconistas, e seus fundadores super-ricos podem explorar brechas legais para repassar enormes ganhos aos herdeiros em grande parte isentos de impostos.

Agora, um grupo poderoso o suficiente para desafiar a supremacia dos titãs da tecnologia está prestes a entrar em ação. Os líderes do Grupo dos Sete, incluindo o presidente dos EUA, Joe Biden, e primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, se reúnem no sudoeste da Inglaterra neste fim de semana, onde a expectativa é que endossem um plano para resolver deficiências no sistema tributário mundial.

Embora as mudanças ainda precisem da aprovação de um grupo maior de nações antes de se tornarem realidade, incluindo a China, o acordo do G7 marca uma virada histórica após décadas de queda de impostos para corporações multinacionais.

“É muito fácil para multinacionais e pessoas mais ricas escaparem dos impostos. O que estamos vendo com o G7 é que chegou a hora de os políticos retomarem o poder”, disse Philippe Martin, ex-assessor do presidente francês Emmanuel Macron que agora dirige o Conseil d’Analyse Economique. “Há uma janela de oportunidade, um ponto de inflexão em que eles percebem que precisam do poder tributário e de gastar mais.”

O acordo reforçaria os próprios planos de Biden de elevar impostos sobre corporações e ricos, aumentando as alíquotas, fazendo os herdeiros pagarem mais e igualando as taxas entre investidores e trabalhadores.

As propostas são parte de um renascimento global de iniciativas com alvo nos ricos, que incluem novos impostos sobre ganhos de capital, heranças e fortunas que aumentaram desde que a Covid-19 abriu enormes rombos fiscais nos orçamentos de vários países.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos