Mercado fechará em 4 h 19 min
  • BOVESPA

    122.863,53
    +1.062,32 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.380,46
    +185,03 (+0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,23
    +1,08 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.806,00
    -8,50 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    39.287,74
    -15,59 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,94
    +4,05 (+0,41%)
     
  • S&P500

    4.421,06
    +18,40 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    34.984,55
    +191,88 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.118,83
    -5,03 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.158,00
    +84,50 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1154
    -0,0029 (-0,05%)
     

Ministra da Agricultura defende "legado" de Salles e pede diálogo para desenvolvimento

·2 minuto de leitura
Tereza Cristina e ex-ministro Salles em evento no Planalto

SÃO PAULO (Reuters) -A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quinta-feira que o agora ex-titular do Meio Ambiente Ricardo Salles deixa um legado, após um "bom trabalho" no governo do presidente Jair Bolsonaro, e defendeu que exista um diálogo entre questões ambientais e o desenvolvimento no país.

Em entrevista à CNN Brasil, a ministra afirmou que Salles, que pediu demissão na véspera, cumpriu seu trabalho em uma pasta "muito difícil", especialmente em um momento em que o mundo todo discute o tema ambiental, acrescentando ainda que a agricultura não pode ser vista como vilã.

"O ministro Ricardo Salles cumpriu esses dois anos e seis meses de governo, fez um bom trabalho. É uma pasta muito difícil, o Meio Ambiente, principalmente no momento em que o mundo todo discute. O ministro deixa um legado", disse.

Tereza Cristina elogiou o trabalho conjunto desenvolvido pelos dois ministérios e ponderou que as mudanças são normais no governo. "O presidente chama os seus ministros, convida, e também o ministro Ricardo Salles achou por bem deixar o governo neste momento", disse.

Salles anunciou na quarta-feira seu pedido de demissão, em meio a investigações sobre sua conduta à frente do ministério e críticas sobre a política ambiental do país. Joaquim Álvaro Pereira Leite, que comandava a Secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais da pasta, foi nomeado para o cargo.

Sobre a política ambiental, Tereza Cristina defendeu a existência de um diálogo transversal entre meio ambiente e agricultura, ressaltando que o Brasil possui leis consolidadas no setor, como o Código Florestal.

"Eu não vejo nenhum prejuízo dessa conversa transversal para o desenvolvimento", disse a ministra, que acrescentou também não enxergar uma permissividade excessiva com o agronegócio no país.

Tereza Cristina voltou a afirmar que o Brasil possui uma imagem ruim no exterior em termos ambientais, porque muitos querem "vilanizar" a agricultura. Para ela, é importante que sejam mostrados pontos positivos do segmento no país.

"A gente tem que mostrar com dados concretos o que temos de bom no Brasil, e nós temos muita coisa boa no Brasil. Temos mazelas a corrigir? Temos, todo mundo tem... Isso vem sendo feito", disse a ministra.

(Por Gabriel AraujoEdição de Maria Pia Palermo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos