Revista semanal mais influente de Portugal, "Expresso" completa 40 anos

Lisboa, 7 jan (EFE).- A revista de informações gerais mais lida e influente do Portugal, "Expresso", celebra nesta segunda-feira 40 anos de história com uma conferência inaugurada pelo presidente da Comissão Europeia (CE), José Manuel Durão Barroso.

Barroso inaugurou a conferência "Portugal no mundo" e parabenizou a equipe da revista, dirigida desde 2011 por Ricardo Costa, por ser uma "referência internacional" do jornalismo.

O presidente da CE lembrou que a revista, que nasceu sob o regime ditatorial que governou Portugal de 1926 até 1974, foi uma "poderosa reivindicação da democracia" e, desde então, funcionou como consciência do país.

Barroso elogiou que, distanciando-se de modelos de imprensa próximos ao sensacionalismo, a publicação continua encarnando "a virtude da moderação", com uma estrita separação entre opinião e informação.

O ato contou também com oradores como o ex-chefe do governo espanhol Felipe González (1982-1996), que compartilhou a mesa de debates com o ex-governante luso Mário Soares (1986-1996) e com o ex-primeiro-ministro de Portugal Francisco Pinto Balsemão (1981-1983), que fundou a revista e que atualmente preside "Impressa", um dos três grandes grupos de comunicação de Portugal.

No seguinte painel, intitulado de "Lusofonia: Sonhos e Realidade", participaram o ex-presidente do Timor-Leste e prêmio Nobel da Paz 1996, José Ramos-Horta; o ex-ministro de Relações Exteriores do Brasil Celso Lafer e o ex-presidente de Moçambique Joaquim Chissano.

"Expresso", que tem uma tiragem semanal de 120 mil exemplares a um preço de três euros, é composto por seis cadernos divididos em vários temas, entre eles política, economia, empregos e setor imobiliário. EFE

Carregando...