Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,08
    +2,59 (+3,26%)
     
  • OURO

    1.672,20
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    18.991,00
    -325,60 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.027,75
    -7,75 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    -0,0039 (-0,07%)
     

Revisões confirmam forte queda da produtividade nos EUA no 2º tri

WASHINGTON (Reuters) - A produtividade dos trabalhadores norte-americanos caiu no segundo trimestre, levando ao maior declínio na comparação anual já registrado, confirmou o governo nesta quinta-feira, mantendo a pressão de alta sobre os custos trabalhistas.

A produtividade fora do setor agrícola, que mede a produção horária por trabalhador, contraiu a uma taxa anualizada de 4,1% no último trimestre, informou o Departamento do Trabalho. O dado foi revisado para cima em relação ao ritmo de queda de 4,6% relatado antes, no mês passado. A produtividade caiu a uma taxa de 7,4% no primeiro trimestre.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o ritmo de queda na produtividade fosse revisado para 4,5%.

A produtividade caiu 2,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, em vez da baixa de 2,5% estimada no mês passado. Ainda assim, foi o maior declínio ano a ano desde que o governo começou a acompanhar a série, no primeiro trimestre de 1948.

O declínio da produtividade, no contexto de um crescimento bastante forte do emprego, é provavelmente insustentável. Isso tem feito com que os economistas esperem que as contratações desacelerem nos próximos meses. A geração média de empregos foi de cerca de 461.300 postos por mês no primeiro semestre do ano e superou a economia geral.

(Por Lucia Mutikani)