Mercado fechará em 4 h 3 min
  • BOVESPA

    110.326,39
    +924,98 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.598,87
    -200,59 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,40
    -0,53 (-0,69%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    17.006,53
    -224,36 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,99
    -0,81 (-0,20%)
     
  • S&P500

    3.977,62
    -21,22 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    33.890,07
    -57,03 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.549,50
    -18,04 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.715,00
    -90,75 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4948
    -0,0386 (-0,70%)
     

Revisão de isenções tributárias vai ser retomada, mas sem 'canetada', diz Nelson Barbosa

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS0 - Ex-ministro da Fazenda e do Planejamento, Nelson Barbosa defendeu nessa sexta-feira (18) a revisão das isenções tributárias, mas disse que não haverá "canetada" do governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"O Congresso aprovou uma PEC [Proposta de Emenda à Constituição] que diz que tem de rever isenções. O próprio governo atual tentou. Isso vai ser retomado, é suprapartidário, independe do resultado eleitoral", disse ele à imprensa.

A equipe de transição de governo, da qual Barbosa é integrante, avalia que reduzir o volume das isenções pode ser uma forma de elevar receitas, sem aumentar a carga tributária.

Barbosa disse que as alterações tributárias serão discutidas com todos os setores.

"A tradição de Lula é sentar e conversar com todo mundo, principalmente em questão tributária. Não vai ter 'canetada', não tem surpresa, não tem medidas radicais que as pessoas vão ficar sabendo pelos jornais", afirmou Barbosa.

O TCU (Tribunal de Contas da União) também chamou a atenção sobre as isenções tributárias em relatório entregue à equipe de transição.

"Existem questões muito importantes do quadro fiscal brasileiro. Um dos pontos que destacamos é a necessidade urgente de se estabelecer critério para as isenções tributárias. O Brasil tem mais de 4% do PIB comprometido com isenções, isso é o dobro do que em 2002", disse o presidente do TCU, Bruno Dantas na quarta-feira (16).

Também chamados pelo Ministério da Economia de gastos tributários, os subsídios reduzem a arrecadação pública a partir de exceções nos impostos criadas para diminuir custos ao consumidor ou ao produtor. A conta vai passar pela primeira vez a marca de R$ 450 bilhões em 2023, um avanço nominal de 49% desde 2019 (primeiro ano de governo).