Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,48 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.792,40
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.332,15
    +143,25 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -12,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2556
    -0,0849 (-1,59%)
     

Revisão de imposto corporativo global deve entrar em vigor em 2024, diz OCDE

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Sede da OCDE em Paris
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

h siPARIS (Reuters) - A maior revisão de regras tributárias internacionais em uma geração deve entrar em vigor em 2024, disse nesta segunda-feira a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em uma atualização do projeto para os ministros das Finanças do G20.

A reorganização, que tem sido liderada pela OCDE e com a qual quase 140 países concordaram no ano passado, tem como objetivo levar melhor em conta o surgimento de grandes empresas digitais, como a Apple e a Amazon, que podem embolsar lucros em países com impostos baixos.

O primeiro pilar da reforma em duas vertentes visa redistribuir 25% dos lucros das maiores multinacionais do mundo para tributação nos países onde seus clientes estão, independentemente da localização física das empresas. O segundo pilar busca estabelecer uma taxa mínima global de imposto corporativo de 15%.

Ambos os pilares deveriam ser implementados originalmente no próximo ano, embora isso sempre tenha sido visto como altamente ambicioso, dada a dificuldade de se chegar a um acordo sobre mudanças complexas nas leis tributárias de muitos países.

"Continuaremos trabalhando o mais rápido possível para finalizar este trabalho, mas também levaremos o tempo que for necessário para acertar as regras", disse o Secretário Geral da OCDE, Mathias Cormann, em declaração.

"Estas regras moldarão nossos acordos fiscais internacionais por décadas", acrescentou ele.

(Reportagem de Leigh Thomas)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos