Mercado abrirá em 6 h 34 min

Revisão de dados da balança comercial gera no mínimo desconfiança, diz Maia

ANGELA BOLDRINI
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 06.08.2019: O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fala com a imprensa sobre a votação do 2º Turno da Reforma da Previdência. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a revisão de números da balança comercial gera "no mínimo insegurança".

Originalmente, o Ministério da Economia afirmou que as exportações brasileiras tinham ficado em US$ 18,921 bilhões em setembro, US$ 18,231 bilhões em outubro e US$ 9,681 bilhões em novembro.

Os dados atualizados são de vendas externas de US$ 20,289 bilhões em setembro, US$ 19,576 bilhões em outubro e US$ 13,456 bilhões em novembro.

"Não estou discutindo o mérito, o mérito pode estar certo. O problema é que uma decisão no final de setembro e uma decisão no início de dezembro estão muito perto uma da outra para fazer uma revisão. Então ela gera no mínimo uma desconfiança e uma insegurança", afirmou o presidente da Câmara.

"Acho que a gente tem que tomar um certo cuidado porque o tema do câmbio é muito sensível", disse. 

Maia disse, porém, que acredita que a revisão não coloca em dúvida a credibilidade brasileira.

"O trabalho é técnico, não há influência política, pressão para mexer no câmbio, segurar câmbio. Acho que isso é o mais importante, ninguém está segurando ou soltando câmbio para aumentar exportação, para mexer na economia", disse.

O Ministério da Economia afirma que a falha foi causada no momento da coleta e transmissão de dados. A tarefa é de responsabilidade da empresa estatal Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados).