Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.781,80
    +11,30 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    65.844,26
    +1.610,78 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,97
    +58,17 (+3,93%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.359,50
    -39,00 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5100
    +0,0138 (+0,21%)
     

Review Samsung Odyssey G3 | Honrando a linha em qualidade e preço

·7 minuto de leitura

O Odyssey G3 foi lançado no mercado brasileiro em setembro deste ano como o monitor gamer mais acessível da família Odyssey da Samsung. Ele perde diversas características dos modelos mais caros, como tela curva de 165 Hz, LEDs na parte traseira e conexões mais avançadas, mas promete ser um bom monitor 144 Hz.

Mas, afinal, será que o Odyssey G3 honra a família Odyssey da Samsung? Testei o monitor gamer por alguns dias e compartilho minhas impressões nos próximos parágrafos.

Lembrando que, caso você tenha interesse pelo Samsung Odyssey G3 ao final desta análise, deixaremos links de compra confiáveis. Vamos nessa?

Prós

  • Design fino e elegante;

  • Tela 144 Hz de qualidade;

  • Opções de regulagens.

Contras

  • Efeito fantasma ao rolar em algumas páginas;

  • Tela balança um pouco mesmo com suporte robusto.

Confira o preço atual do Samsung Odyssey G3

Construção e design

Apesar de o Odyssey G3 ser o irmão mais básico da família, curiosamente temos um corpo mais chamativo esteticamente em relação aos G5 e G7. Ele é bem fino no geral, muito disso devido à sua tela reta, mas traz uma espécie de calombo que arranja as conexões, os botões físicos e o espaço para conectar o suporte.

O visual do monitor também difere dos irmãos mais caros. Não temos o chamado “núcleo de iluminação infinito” presente nos modelos G7 e G9, porém a tampa traseira tem acabamento fosco com desenhos texturizados característicos da linha Odyssey, resultando em um design minimalista sem deixar de lado o aspecto gamer.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Na frente, a principal diferença do Odyssey G3 quando comparado com os irmãos é a tela reta. Devido às bordas laterais e superior bem finas, é possível alinhar dois ou mais monitores sem que a junção atrapalhe a jogatina ou o trabalho.

Com relação ao suporte e à base do monitor mais simples, temos peças bem grandes e aparentemente mais robustas que as presentes nos modelos caros. Uma vantagem disso é a possibilidade de girar em 90º, regular a altura e ajustar a inclinação, assim como o Samsung Odyssey G7 e o Acer Predator XB1.

Entretanto, durante os testes notei que o monitor balançava com facilidade, uma crítica que também fiz ao Odyssey G5. Na prática, isso não chega a ser um problema, mas passa uma sensação de fragilidade.

O Odyssey G3 é esteticamente mais chamativo que os irmãos mais caros, trazendo um corpo mais fino e com detalhes texturizados característicos da linha Odyssey.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Conectividade

Na parte de conectividade, o Odyssey G3 oferece uma entrada DisplayPort (DP) 1.2, versão mais antiga que a 1.4 presente no seu irmão G5, uma HDMI 2.0 e uma D-Sub.

Durante os testes, usei meu PC na única porta DP e funcionou perfeitamente. Entretanto, foi preciso configurar a taxa de atualização do monitor manualmente, já que, por padrão, ela veio em 60 Hz. Para alterar, você só precisar ir até o painel de controle da sua placa de vídeo — no meu caso, da NVIDIA.

Na caixa, a Samsung envia apenas um cabo DisplayPort, compatível com muitas placas de vídeo e placas-mãe atuais, porém seria interessante se também houvesse um cabo HDMI, mais comum entre notebooks e computadores mais potentes.

Por fim, o Odyssey G5 também não conta com alto-falantes embutidos, o que não chega a ser um ponto negativo se considerarmos que o público gamer geralmente utiliza fones de ouvido ou uma caixa de som dedicada.

Tela

O Odyssey G3 chegou ao Brasil em dois tamanhos: 24 polegadas e 27 polegadas. Independentemente do modelo, você terá painel VA, mesma tecnologia da smart TV NU7100, da própria Samsung, resolução Full HD (1.920 por 1.080 pixels) na proporção 16:9, contraste de 4.000:1, taxa de atualização de até 144 Hz e tempo de resposta de 1 ms.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

No geral, eu gostei muito das cores do Odyssey G5. No teste de contraste, realizado no site Lagom LCD com as configurações padrões do monitor, pude distinguir todos os quadros aproximadamente iguais no brilho em toda a faixa de 1 a 32 e em todas as cores, incluindo as diferenças mais escuras e claras da imagem.

Em outro teste, desta vez para apurar os níveis de preto, também foi possível identificar todos os quadros, do mais escuro ao mais claro — em um monitor deficiente nesse quesito, a imagem mostraria quadrados geralmente iguais no nível de preto.

A ausência de ângulo de visão, característico do painel VA, prejudica um pouco a qualidade da imagem, tornando as cores lavadas e sem muita definição, mas isso até que não chega a ser um ponto muito negativo — afinal, geralmente olhamos para o monitor de frente.

O modelo que recebemos para testes foi o de 27 polegadas, tamanho que considero o limite para a resolução Full HD. Assim como em outros monitores similares, como o HERO 2762 da AOC, já é possível enxergar os pixels na tela, principalmente em conteúdos mais claros. Talvez o G3 de 24 polegadas ofereça melhor definição de imagem.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Outro ponto em que o G3 também não se destaca muito é no brilho máximo, inferior a outros modelos concorrentes como o HERO 27G2. Na prática, no entanto, a visualização continua ótima, mesmo sob forte luz do Sol.

Em jogos, o monitor oferece o básico para se ter uma jogatina agradável: 144 Hz de taxa de atualização e 1 ms de tempo de resposta. Eu testei jogos como Fortnite, Overwatch e CS: GO, e todos tiveram desempenho extremamente fluido.

Ao navegar em páginas da web como Twitter e Facebook, no entanto, notei uma espécie de efeito fantasma, como se as fontes e as imagens estivessem derretendo. Não sei se isso foi um defeito da minha unidade de teste — até porque nunca tinha presenciado em outros monitores 144 Hz —, mas é importante deixar registrado.

O Odyssey G3 tem uma tela ótima tanto para jogar quanto para trabalhar. O brilho não é tão intenso quanto nos modelos mais caros, mas o contraste é interessante, e os níveis de preto, agradáveis. A combinação de 144 Hz de taxa de atualização e 1 ms de tempo de resposta é outro acerto, garantindo uma jogatina interessante.

Caso você possua uma placa de vídeo da AMD, a tecnologia FreeSync Premium promete uma experiência de jogo muito mais satisfatória, pois sincroniza o monitor e a GPU para reduzir o travamento da tela, oscilações e atrasos.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Concorrentes diretos

A Samsung lançou o Odyssey G3 de 27 polegadas por salgados R$ 2.899, enquanto o modelo de 24 polegadas saiu por R$ 2.399. Pouco mais de um mês após a apresentação, os monitores tiveram uma queda de cerca de R$ 500, chegando a pouco menos de R$ 1.900 no caso do G3 de 24’’.

Por esse preço, o Odyssey G3 compete com o AOC HERO 27G2, já analisado aqui no Canaltech, e o Gigabyte G27F-SA, que também entrega taxa de atualização de 144 Hz e construção robusta.

O Odyssey G3 e o HERO 27G2 são bem parecidos: ambos trazem taxa de atualização de 144 Hz, 1 ms de tempo de resposta, construção robusta — com a mesma abertura para passar cabos — e uma variedade de opções de regulagens. O monitor da Samsung leva vantagem principalmente na qualidade de imagem mais satisfatória nas configurações padrões, enquanto no monitor da AOC é preciso calibrar antes.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Com relação à opção da Gigabyte, o Odyssey G3 também não difere muito em qualidade de construção e tecnologias. Um ponto muito positivo do G27F-SA é a quantidade de acessórios que vêm na embalagem, incluindo cabos HDMI, DisplayPort e USB.

Conclusão

O Odyssey G3 é um monitor gamer intermediário que honra a linha Odyssey da Samsung com uma boa construção e qualidade de imagem. Tirando o efeito fantasma que presenciei ao navegar em páginas na web e a resolução Full HD numa tela tão grande, o monitor entrega ótimas cores, brilho agradável e contraste interessante.

O principal problema do monitor — e da linha Odyssey no geral — é o preço. A Samsung pede R$ 2.899 no G3 de 27 polegadas, um valor alto pelas configurações que entrega. Mesmo com a redução de aproximadamente R$ 500, eu não recomendaria em meio a outros monitores 144 Hz de qualidade e que custam abaixo de R$ 2.000, como o AOC HERO 27G2.

O cenário muda um pouco com o Odyssey G3 de 24 polegadas. Se você não se importar com uma tela ligeiramente menor, ele é uma opção bastante interessante na faixa de R$ 1.900.

E aí, curtiu o Odyssey G3? Confira uma oferta especial que preparamos para você!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos