Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.207,41
    +2.194,49 (+5,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Review Realme Watch S | Uma boa extensão do seu celular

·10 minuto de leitura

A Realme chegou de forma oficial ao Brasil em janeiro deste ano com o objetivo de ser uma das três maiores fabricantes dispositivos eletrônicos do mercado nacional. Além de estrear nos segmentos de celulares e fones de ouvido, a marca também entrou no setor de relógios inteligentes, dominado por Apple, Samsung e Xiaomi (Amazfit) no país.

O Realme Watch S é atualmente o único smartwatch da marca chinesa à venda por aqui e aposta em bateria com duração de até 15 dias, monitoramento 24h por dia, diversos modos de exercícios e, principalmente, um preço abaixo da concorrência. Será que o modelo da Realme tem força para brigar com as gigantes no mercado brasileiro?

Tive a oportunidade de testar o relógio inteligente da Realme por alguns dias e compartilho nos próximos parágrafos todos os pontos positivos e negativos sobre ele. Obviamente, se você gostar do Watch S, deixaremos uma oferta especial no final desta análise.

Prós

  • Design elegante e discreto;

  • Diversas opções de mostradores;

  • Bateria de longa duração.

Contra

  • Tela LCD é inferior a de outros modelos equivalentes;

  • Monitores de frequência cardíaca e oxigenação no sangue podem ser imprecisos;

  • Aplicativo Realme Link não é prático.

Review em vídeo

Construção e design

O Realme Watch S é um relógio inteligente que não parece tão "smart" em um primeiro momento. Seu design foge completamente do “estilo Apple Watch” e traz um formato tradicional, com uma caixa redonda feita em alumínio. O modelo que testamos é todo preto, oferecendo uma aparência elegante e que não chama atenção no pulso.

A pulseira padrão do smartwatch é de silicone, também na cor preta, e tem 22 mm. Ela pode ser substituída por outras opções de cores e acabamentos caso queira, mas a Realme não trouxe os acessórios para o Brasil — ou seja, o ideal seria importá-los.

O Realme Watch S tem um design muito elegante, com uma caixa em alumínio e pulseira em silicone (Imagem: Ivo/Canaltech)
O Realme Watch S tem um design muito elegante, com uma caixa em alumínio e pulseira em silicone (Imagem: Ivo/Canaltech)

Vale mencionar, também, que o Realme Watch S tem resistência contra água e poeira. Em termos práticos, isso significa ser possível tomar uma chuva rápida ou suar com ele no pulso tranquilamente, mas a empresa não recomenda utilizá-lo no banho, o que é curioso, já que a certificação IP68, tecnicamente, o deixaria resistente para isso.

No geral, o Realme Watch S é bem confortável no pulso e não chega a incomodar mesmo após longas horas de utilização ou dormindo. Durante os testes, também não senti incômodos ao correr, caminhar e fazer outros tipos de exercícios com ele no pulso, o que é excelente.

Na lateral direita do produto ficam seus dois únicos botões: o de cima permite acessar configurações e funções do relógio, enquanto o inferior é exclusivo para os modos de treino.

Relógio da Realme tem dois botões em sua caixa (Imagem: Ivo/Canaltech)
Relógio da Realme tem dois botões em sua caixa (Imagem: Ivo/Canaltech)

Tela

Com relação à visualização, temos um display redondo de 1,3 polegada com resolução de 360 por 360 pixels e painel LCD. A tela ocupa 49,1% da área frontal, deixando as bordas restantes responsáveis por exibir as marcações para os mostradores analógicos.

Diferentemente de smartwatches com painéis AMOLED — que deixam os conteúdos mais vivos e com brilho intenso —, o modelo da Realme traz uma tela que tende a acinzentar os tons mais escuros, um ponto negativo do LCD. Na prática, isso limita a experiência com o relógio, já que não há recursos interessantes como o modo de tela sempre ligada.

Tela LCD do Realme Watch S é inferior a de outros modelos da concorrência (Imagem: Ivo/Canaltech)
Tela LCD do Realme Watch S é inferior a de outros modelos da concorrência (Imagem: Ivo/Canaltech)

Mesmo não trazendo um modo que deixa a tela sempre ligada, é possível acendê-la ao erguer o pulso. Durante os testes, o relógio conseguiu identificar o movimento muito bem enquanto eu estava em pé ou sentado, mas tive dificuldades para ativá-la deitado. Isso não chega a ser um ponto muito negativo, mas não poderia deixar de comentar.

Além disso, o brilho máximo do Realme Watch S não é tão forte quanto em modelos com displays AMOLED, embora eu não tenha experimentado dificuldades para visualizar os conteúdos sob a luz do sol. O relógio traz, ainda, um modo de brilho automático, que consegue se adaptar ao ambiente e definir a luminosidade com precisão.

Configurações e desempenho

Infelizmente, a Realme não destaca o modelo do chipset nem sistema operacional que roda no Watch S, portanto já podemos ir ao que interessa: a sua usabilidade.

Por estarmos falando de um smartwatch mais básico, a interface do Realme Watch S é extremamente simples e sem firulas: na tela inicial, deslizar o dedo de cima para baixo exibe a central de notificações, enquanto o inverso acessa o menu. Passar o dedo para os lados, por sua vez, leva até o contador de passos e calorias perdidas, além dos relatórios de frequência cardíaca e sono.

A navegação do sistema é ok para a categoria, sem travamentos ou engasgos mesmo durante o monitoramento. Ainda assim, pude perceber certa lentidão ao transitar entre as telas, como se os conteúdos estivessem se arrastando.

Interface do Realme Watch S é amigável, mas percebi algumas lentidões (Imagem: Ivo/Canaltech)
Interface do Realme Watch S é amigável, mas percebi algumas lentidões (Imagem: Ivo/Canaltech)

Além disso, o Realme Watch S é bastante limitado em relação às coisas que consegue fazer sem estar pareado a um celular. Basicamente, as únicas funções que ele desempenha sem contato direto com um aparelho é criar alarmes, iniciar cronômetro e temporizador. Ele também pode verificar a sua frequência cardíaca e oxigenação no sangue a qualquer hora, embora os relatórios fiquem no aplicativo Realme Link. Falarei mais sobre o app a seguir.

Acompanhamento físico

O Realme Watch S possui 16 modos de treino. São eles: corrida em ambientes externo e interno, caminhada, ciclismo (externo e interno), capacidade aeróbica, treino de força, futebol, basquete, tênis de mesa, badminton, exercício elíptico, ioga, críquete, remo e bicicleta ergométrica. Os treinos utilizam os sensores do próprio relógio, mas os cálculos de distância e localização são feitos pelo smartphone, pois não há GPS integrado por aqui.

Em um sábado de manhã, saí para fazer uma caminhada com o Realme Watch S no pulso. Selecionei o modo de caminhada e achei bastante simples, bastando escolher a opção, aguardar o GPS se conectar e clicar em “Iniciar”. Automaticamente, o relógio passa a contabilizar os passos, a frequência cardíaca, a distância e a duração do exercício.

Durante os testes, no entanto, dois pontos me chamaram atenção: o primeiro foi que o relógio parou de contabilizar os passos e a distância percorrida após cerca de 100 metros do ponto de partida, embora tenha continuado funcionando. Depois de alguns erros, o modelo conseguiu se manter estável até o fim do exercício.

Relógio deixou de registrar a distância (Imagem: Diego Sousa/Canaltech)
Relógio deixou de registrar a distância (Imagem: Diego Sousa/Canaltech)

O segundo detalhe foi em relação ao monitoramento da frequência cardíaca: enquanto eu estava caminhando relativamente tranquilo, o relógio alcançou 185 batimentos por minuto (bpm), o que não fazia sentido. Já em momentos onde eu estava mais ofegante, minha frequência cardíaca não passou de 165 bpm. Fazendo o acompanhamento durante um dia normal, no entanto, tive resultados mais condizentes com a minha situação.

O Realme Watch S também é capaz de monitorar o nível de oxigenação no sangue (SpO2), algo que a linha Apple Watch ganhou recentemente. Não percebi muitas inconsistências nos resultados, mas, no caso de o registro ficar muito abaixo do normal, procure um médico. Outro recurso muito bem-vindo do Realme Watch S é o monitor automático de sono. Com ele, é possível ficar ciente dos períodos em que você teve sono leve, profundo e REM, além de acompanhar a sua frequência cardíaca durante o tempo.

Registro de sono foi muito precisa (Imagem: Diego Sousa/Canaltech)
Registro de sono foi muito precisa (Imagem: Diego Sousa/Canaltech)

Conectividade

Para uma experiência mais completa com o Realme Watch S, é imprescindível fazer o download do aplicativo Realme Link. Por lá, você acompanha todos os dados durante o período de sono, histórico da sua frequência cardíaca, relatórios de exercícios, galeria de mostradores e muito mais.

No entanto, a crítica que fiz na análise do fone de ouvido Realme Buds Q se repete aqui. O Realme Link não é muito prático, pois é preciso criar uma conta do zero — caso você esteja entrando agora no ecossistema da empresa —, e o processo é bastante demorado e cansativo.

Uma vez conectado ao aplicativo, a experiência é bem mais completa em relação a que tive com os fones de ouvido da marca. Alguns recursos só podem ser ativados por lá, como os lembretes para beber água e se movimentar, além de definir o watch face — há mais de 100 opções de mostradores disponíveis, o que é excelente.

(Imagem: Diego Sousa/Canaltech)
(Imagem: Diego Sousa/Canaltech)

Por ser um smartwatch mais básico, o Realme Watch S recebe notificações dos principais aplicativos, mas não consegue respondê-las. Além disso, é possível controlar o reprodutor de músicas do celular e o obturador da câmera do smartphone — surpreendentemente, o atraso é muito pequeno, quase instantâneo.

Bateria e carregamento

Segundo a Realme, o Watch S garante até 15 dias de uso com apenas uma carga. Durante os testes, mantive o relógio com todas as notificações ativadas, monitoramento de frequência cardíaca a cada cinco minutos e brilho no automático. No décimo dia, o smartwatch ainda estava com 30%, o que é excelente. Provavelmente, seria possível chegar ao décimo quinto dia sem problemas.

Com relação ao carregamento, o Realme Watch S traz um carregador por indução que se acopla na parte debaixo do relógio. A ponta do acessório é USB-A e pode ser conectada a computadores e adaptadores de energia compatíveis. Nos testes, o relógio saiu de 10% a 100% em pouco mais de duas horas, o que é bom para a categoria.

Concorrentes diretos

O Realme Watch S chegou ao mercado brasileiro em janeiro deste ano por R$ 699, mas já pode ser encontrado por valores mais em conta. Na sua faixa de preço, podemos citar alguns modelos da Amazfit (Xiaomi), como os Amazfit GTS 2 Mini e Amazfit Bip U Pro.

No caso do GTS 2 Mini, temos uma tela AMOLED, superior à LCD do Watch S, acompanhamento de ciclo menstrual e mais de 70 modos de treino, contra apenas 16 do relógio da Realme.

Já o Bip U Pro é mais simples, porém entrega mais de 60 modos de treino, monitoramento de estresse e GPS integrado. Ele perde na duração da bateria, que promete somente nove dias de uso.

No portfólio da Huawei, o Watch Fit é uma boa alternativa ao Realme Watch S. Ele não traz um formato tradicional de relógio como o rival, mas oferece tela AMOLED, GPS integrado e resistência à água de até 50 metros de profundidade.

Conclusão

O Realme Watch S está mais próximo de uma smart band que de um relógio inteligente, o que é muito positivo. Ele entrega os principais recursos fitness de uma pulseira conectada e bateria para quase duas semanas, mas em um corpo tradicional e elegante de relógio.

Além disso, o fato de o Watch S depender de um smartphone não chega a ser um problema, já que o foco do produto é ser, basicamente, uma extensão do celular. Mas é preciso ter isso em mente e não esperar que ele possa competir com modelos mais completos de marcas como Samsung e Apple.

Os únicos detalhes que me deixam com o pé atrás em relação ao dispositivo da Realme é o aplicativo Realme Link, que não é prático para criar conta, e a tela LCD, inferior a modelos equivalentes que já possuem display AMOLED. Nesses casos, tanto o Amazfit GTS 2 Mini quanto o Bip U Pro são opções mais interessantes, mesmo trazendo uma autonomia de bateria inferior.

E aí, curtiu o Realme Watch S? Confira no link abaixo uma oferta especial que preparamos para você!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos