Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.840,40
    -1.453,03 (-3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Review Acer Predator XB1 | Um monitor gamer em toda sua essência

·8 minuto de leitura

O Predator XB1 (XB271HU) é um dos monitores voltados para jogos mais interessantes do portfólio da Acer aqui no Brasil. Para competir principalmente com a linha Samsung Odyssey, o monitor gamer da marca taiwanesa aposta em visual extremamente robusto, resolução WQHD, até 165 Hz de taxa de atualização com overclock e compatibilidade com Nvidia G-Sync.

Nos últimos dias, tive a oportunidade de testar o Predator XB1 e, como um assíduo jogador nas horas vagas, te conto como foi a minha experiência jogando com o monitor gamer da Acer.

Lembrando que, se você gostar do monitor, deixaremos links de compra ao longo do texto para você aproveitar. Vamos nessa?

Prós

  • Diversas opções de regulagem;

  • Visual extremamente robusto;

  • Tela IPS com ótima fidelidade de cores.

Contras

  • Conexões relativamente mais antigas;

  • Alto-falantes pecam na qualidade sonora;

  • Modo de imagem padrão não é bom.

Confira o preço atual do Acer Predator XB1

Construção e design

O Predator XB1 deixa transparecer em todos os cantos que é voltado para gamers. O monitor tem bordas laterais e superior muito finas, característica chamada pela Acer de ZeroFrame, que passa uma impressão mais elegante, enquanto a lateral inferior mais grossa estampa a marca Predator e os cinco botões físicos.

A parte traseira do monitor “quebra” essa elegância com uma cobertura texturizada e uma área de encaixe para a base mais agressiva. Essa região é deslocada do restante do produto porque também arranja todas as conexões — das quais falarei logo abaixo.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Se o monitor em si não traz muitos destaques, o suporte chama atenção por sua robustez e funcionalidades. Os “pés” do Predator XB1 são de alumínio e levam o nome da marca a sério por assemelhar-se a presas, de fato. Apesar de robusto, eles são discretos e não ocupam muito espaço na mesa, algo que critiquei bastante quando analisei os monitores gamer da Samsung.

Com relação ao suporte, temos uma peça bem espessa quando comparada a outros monitores do mercado. A montagem foi extremamente fácil e me surpreendi como o Predator XB1 se manteve firme na base mesmo sem a necessidade de parafusá-lo.

O suporte também traz diversas opções de regulagens, podendo girar nas duas direções, regular a altura e ajustar a inclinação, assim como o Odyssey G7. Outra característica em comum é o compartimento para arranjar os cabos, muito útil para quem não gosta de muitos fios em cima da mesa.

O Predator XB1 é um monitor gamer em toda a sua essência. Ele traz traços de robustez e elegância que devem agradar até àqueles usuários mais exigentes.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Conectividade

O Predator XB1 tem um kit de conexões básico para quem procura jogar com qualidade. Temos uma porta DisplayPort 1.2, uma HDMI 1.4, quatro entradas USB 3.0 (duas na traseira e duas na lateral) e uma porta de 3,5 mm para fones de ouvido. Embora as versões de DisplayPort e HDMI sejam mais antigas em relação às presentes no Odyssey G7, por exemplo, ainda é possível jogar em 1440p a até 165 Hz.

Durante os testes, utilizei a única porta DisplayPort 1.2 disponível e não tive problemas tanto na hora de jogar quanto trabalhar com o monitor. No entanto, vale mencionar que, por padrão, o Windows 10 limita a taxa de atualização do monitor em 60 Hz. Para alterar, é preciso ir até o painel de controle da sua placa de vídeo — no meu caso, da NVIDIA — e mudar manualmente.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Apesar de não ser uma característica muito comum entre os monitores, é importante mencionar que o Predator XB1 não consegue extrair o máximo dos consoles de nova geração, como o PlayStation 5 e os Xbox Series X/S, pois sua entrada HDMI 1.4 não suporta conteúdos em 4K a até 120 quadros por segundo (fps), apenas em até 30 fps.

O monitor consegue chegar a até 165 Hz de taxa de atualização por meio da conexão DisplayPort, mas é preciso alterar manualmente nas configurações da sua placa de vídeo.

Tela

O Predator XB1 é equipado com um painel WQHD, ou seja, 2.560 por 1.440 pixels, na proporção padrão de 16:9. O monitor de 27 polegadas, aliado à alta resolução de imagem, resulta em uma definição impecável, seja na exibição de jogos, fotos, vídeos e navegação no geral.

A tecnologia da tela é IPS LCD, geralmente presente em smart TVs, que oferece ótima fidelidade de cores e imagens bastante vivas. Nos testes abaixo, realizados no site Lagom LCD e com as configurações padrões do monitor, consegui distinguir todas as etapas aproximadamente iguais no brilho em todas as faixas, inclusive a 1, mais escuras, e as 30, 31 e 32, mais claras.

Na prática, isso significa bons níveis de contraste, ainda mais considerando as limitações do painel IPS. Com relação os tons de preto, também pude distinguir todos 20 quadrados cinza em um fundo preto (imagem abaixo), o que é ideal para designers, editores de fotos e vídeos.

(Imagem: Diego Sousa/Canaltech)
(Imagem: Diego Sousa/Canaltech)
(Imagem: Diego Sousa/Canaltech)
(Imagem: Diego Sousa/Canaltech)

A taxa de atualização do display é de até 165 Hz com o auxílio da tecnologia G-Sync, mas, por padrão, o monitor é 144 Hz, o mínimo exigido para quem curte jogos competitivos. O resultado é o que se espera de um bom monitor gamer: ótima fluidez em títulos de primeira pessoa, como Fortnite e Overwatch. Particularmente, que uso diariamente um monitor de 60 Hz para jogar e trabalhar, senti uma diferença enorme.

O tempo de resposta do monitor da Acer é 4 ms, o que, teoricamente, não seria muito recomendado para jogadores profissionais devido ao atraso relativamente maior entre o clique no mouse e a ação na tela. Para um gamer mais casual, no entanto, o delay é praticamente imperceptível mesmo em títulos de tiro.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Para trabalhar e consumir mídias, as 27 polegadas do produto são agradáveis, mas não espere um ótimo aproveitamento frontal com mais de três abas do Google Chrome abertas, por exemplo. Durante os testes, no entanto, trabalhei com até dois programas lado a lado e não tive muita dificuldade.

Se você estiver pensando em comprar o Predator XB1, a principal recomendação assim que tirá-lo da caixa é escolher um dos perfis de imagem ou calibrar as cores manualmente, pois o modo padrão tende para exibir tons mais quentes, algo que não agrada.

Apesar de ser um monitor gamer, o Predator XB1 também pode ser uma opção interessante para designers, editores de vídeo e fotos, já que a tela oferece ótima fidelidade de cores.

Qualidade sonora

Diferentemente dos monitores gamer da Samsung, o Predator XB1 conta com alto-falantes embutidos, posicionados na parte de trás do monitor e voltados para cima.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

A qualidade sonora, no entanto, não faz jus ao restante das configurações do produto: os graves simplesmente não existem, enquanto os médios e agudos são estridentes. As vozes, por sua vez, não possuem nenhum brilho, tornando a experiência tanto de músicas quanto de transmissões ao vivo horrível.

Eu só recomendaria consumir mídias com o sistema de som nativo do Predator XB1 caso você não tenha caixas de som dedicadas e queira mostrar algo rapidamente para alguém. Em outros cenários, opte por um fone de ouvido.

Concorrentes diretos

Monitores de 165 Hz são muito comuns no Brasil e já é possível encontrá-los por quase a metade do preço do Predator XB1. O Asus VG248QG, por exemplo, custa na faixa de R$ 2 mil e entrega a mesma taxa de atualização do monitor da Acer, mas se sobressai pelo tempo de resposta de 0,5 ms, mais recomendado para quem curte jogos de tiro.

Outro modelo, este da própria Acer, que também suporta altas taxas de quadros é o Nitro XV240Y. Custando cerca de R$ 1,5 mil, ele não tem uma construção tão robusta quanto o monitor da família Predator nem a resolução 1440p, mas deve agradar aos gamers que procuram 165 Hz de refresh rate, 0,5 ms de tempo de resposta, suporte à tecnologia FreeSync da AMD e altura ajustável.

Caso você esteja procurando um monitor à altura da linha Predator, destaco o Samsung Odyssey G5, o qual já analisei para o Canaltech. Ele custa basicamente o mesmo do XB1, ou seja, entre R$ 4 mil e R$ 5 mil, mas tem tela curva de 34 polegadas, formato ultrawide, painel VA (mais indicado para games) e também é excelente para produtividade.

(Imagem: Ivo/Canaltech)
(Imagem: Ivo/Canaltech)

Conclusão

O Predator XB1 é um monitor gamer que não deve decepcionar usuários mais casuais que procuram jogar com qualidade. A tela de 165 Hz é bastante fluida, o painel IPS tem ótima fidelidade de cores e o suporte é extremamente robusto, oferecendo diversas opções de regulagem.

Entretanto, é difícil recomendar o Predator XB1 ao ter diversas opções com qualidades equivalentes disponíveis no mercado que custam a metade do preço. Tela de 165 Hz, painel IPS e visual gamer já são características relativamente comuns no segmento. Basicamente, você paga mais que R$ 4.000 pelo estilo e pela marca Predator, sinônimo de produtos de qualidade voltados para jogadores.

E aí, curtiu o Predator XB1 da Acer? Aproveite a promoção que separamos para você!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos