Mercado fechado

Revendedores preveem estagnação na venda de carros em 2023

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Fenabrave, associação que representa os revendedores de veículos, prevê estabilidade na venda de veículos leves e pesados em 2023.

A entidade espera que o ano termine com 2,105 milhões de unidades emplacadas, o que representa um crescimento de apenas 0,1% em relação a 2022.

No setor de motos, a Fenabrave prevê um resultado melhor: crescimento de 9% em relação ao ano passado, com 1,485 milhões de unidades licenciadas ao longo de 2023.

Dados baseados no Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores) mostram que 2,104 milhões de carros, caminhões e ônibus zero-quilômetro foram vendidos em 2022. Com o resultado, houve queda de 0,7% na comercialização.

Ao considerar apenas os segmentos de carros de passeio e de comerciais leves, a Fenabrave acredita que não haverá crescimento nas vendas. Os números, contudo, devem ser revistos no início do segundo semestre, como é comum no setor automotivo.

Entre os veículos pesados, a entidade prevê uma alta de 0,7% nas vendas, com 147,5 mil emplacamentos ao longo de 2023.

A economista e consultora Tereza Fernandez, que faz as projeções em conjunto com a associação de revendedores, diz que as dificuldades globais geradas pela guerra na Ucrânia impactam nos preços de produtos como trigo, soja e fertilizantes. Por outro lado, há a queda do preço do petróleo, resultado da desaceleração da economia.

São esses fatores, somados ao custo do crédito, que fazem a Fenabrave ser cautelosa em suas previsões para 2023. A entidade espera que o ano termine com inflação entre 5,5% e 6%. Para o PIB (Produto Interno Bruto), a previsão é de alta entre 0,5% e 1%.

Nesta sexta (6), será a vez da Anfavea (associação das montadoras) divulgar suas projeções sobre vendas e produção de veículos no Brasil. Espera-se por uma visão mais otimista, baseada na melhora do fornecimento de componentes para as linhas de montagem.