Mercado fechará em 6 h 46 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,57
    +0,10 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.894,00
    +3,30 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    22.708,40
    -468,32 (-2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,19
    -13,70 (-2,55%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.945,65
    +60,48 (+0,77%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.685,25
    +140,00 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5769
    +0,0095 (+0,17%)
     

Retrospectiva 2022: os momentos que marcaram a internet no ano

Parece que foi ontem que o ano começou, mas finalmente o mundo caminha para o último dia de 2022. A internet como um todo mudou significativamente ao longo do ano, viveu novas tendências, viu redes sociais se transformarem e plataformas agirem com cuidado para não interferirem no período eleitoral brasileiro.

Foi o ano em que inteligências artificiais "artistas" chamaram a atenção da web e foram objeto de discussão acerca de direitos autorais e senciência; que aplicativos de mobilidade urbana viveram uma crise pela alta de combustíveis e que a Rússia "ficou offline" devido ao boicote das principais Big Techs. Contudo, também um momento marcado pela Copa do Mundo do Catar, que fez estrelas brasileiras baterem recordes internacionais em transmissões ao vivo — mas que, infelizmente, não rendeu o hexacampeonato para a seleção.

Em uma recaptulação sobre tudo que rolou, o Canaltech destacou os principais fatos que circularam a web ao longo do ano, incluindo febres momentâneas, fatos que marcaram a internet e fatos que ainda devem ter desdobramentos em 2023. Confira tudo logo abaixo.

Telegram quase bloqueado no Brasil

Na iminência de um período eleitoral turbulento, autoridades brasileiras voltaram suas atenções para estreitar laços com redes sociais e plataformas de comunicação — o Telegram foi uma delas. Contudo, após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter tentado contato várias vezes, o aplicativo de Pavel Durov sequer respondia e por pouco não foi suspenso no país.

O Telegram quase foi suspenso no Brasil (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)
O Telegram quase foi suspenso no Brasil (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)

O aplicativo chegou a ter bloqueio anunciado, mas a decisão foi suspensa na véspera da sua implantação. O recuo da suprema corte brasileira só aconteceu pois representantes do Telegram enfim se manifestaram e se comprometeram a cumprir parcialmente as decisões judiciais, incluindo a criação de canais de comunicação oficiais para órgãos brasileiros e o monitoramento dos 100 canais mais relevantes.

Alta de combustíveis afeta apps de mobilidade

O aumento significativo do preço dos combustíveis teve impacto direto em diversos setores, inclusive nos aplicativos de mobilidade 99 e Uber. A alta na tabela de preços fez com que as plataformas gestoras de motoristas aumentasse o valor das viagens ou melhorasse o repasse para garantir maiores ganhos aos parceiros.

A Uber e a 99 viveram uma crise devido ao aumento dos combustíveis (Imagem: André Magalhães/Canaltech)
A Uber e a 99 viveram uma crise devido ao aumento dos combustíveis (Imagem: André Magalhães/Canaltech)

Essa medida da Uber e da 99, porém, não aconteceu por acaso: em meados de julho, viagens nos apps eram canceladas aos montes. Na época, a Associação de Motoristas de Aplicativos de São Paulo (Amasp) disse ao Estadão que o repasse precisava ser ajustado para melhorar a condição de trabalho dos trabalhadores.

Rússia contra a internet

Quando o conflito entre a Rússia e a Ucrânia passou a ter contornos mais graves, as gigantes que controlam as principais redes sociais do mundo entraram na mira. Não levou muito tempo até o governo de Vladimir Putin anunciar bloquear o acesso às principais plataformas do ocidente, incluindo Twitter, Facebook e Instagram.

As principais redes sociais ocidentais foram bloqueadas na Rússia, incluindo Facebook, Instagram e Twitter (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)
As principais redes sociais ocidentais foram bloqueadas na Rússia, incluindo Facebook, Instagram e Twitter (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)

Contudo, as consequências da invasão à Ucrânia não param aí: várias Big Techs suspenderam negociações e fornecimento de serviços ao governo russo, incluindo empresas com papel fundamental para as instituições do país. Um exemplo disso foi a preparação de novas políticas na adoção de softwares do Ministério de Desenvolvimento Digital da Rússia que visava substituir o Windows pelo Linux em toda a infraestrutura nacional.

Elon Musk comprou o Twitter

Após uma negociação cheia de reviravoltas, Elon Musk enfim comprou o Twitter. O CEO da Tesla e da SpaceX começou a se aventurar na gestão das redes sociais negando a intenção de fazer demissões em massa (o que fez logo depois de assumir o comando), lançando um Twitter Blue com selo de verificação sem autenticação de identidade (naturalmente, criando caos na rede) e muito mais.

Carregando uma pia, Elon Musk entrou no Twitter pela primeira vez e mexeu em toda a dinâmica da rede social (Imagem: Reprodução/Twitter/Elon Musk)
Carregando uma pia, Elon Musk entrou no Twitter pela primeira vez e mexeu em toda a dinâmica da rede social (Imagem: Reprodução/Twitter/Elon Musk)

Uma das medidas mais controversas adotadas pelo bilionário foi o retorno da conta pessoal do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, decidido por meio de uma enquete pública na rede. No mesmo pacote, Kanye West também voltou à plataforma, mas foi banido mais uma vez por repetir seu erro anterior e publicar conteúdo antissemita.

Recentemente, o CEO anunciou que busca um substituto para assumir o comando da rede social. Não se sabe quando isso vai acontecer, mas pode ser uma luz no fim do túnel em meio a tanto caos interno e externo no Twitter.

Substitutos do Twitter

A crise vivida pelo Twitter fez com que plataformas alternativas explodissem em popularidade. A rede social Mastodon viu sua popularidade crescer significativamente após o anúncio da compra (e depois de cada anúncio questionável de Musk) e a rede social Koo também se tornou popular no Brasil, pelo menos, por algum tempo.

A plataforma <a class="link " href="https://canaltech.com.br/empresa/mastodon/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Mastodon">Mastodon</a> surfou na crise vivida pelo Twitter (Imagem: Reprodução/Mastodon)
A plataforma Mastodon surfou na crise vivida pelo Twitter (Imagem: Reprodução/Mastodon)

O barulho foi tanto que até Orkut Buyukkokten, o criador do Orkut, revelou trabalhar num novo projeto de rede social. O programador não revelou detalhes sobre a plataforma, tampouco deu previsão de lançamento, mas provavelmente o foco será proporcionar bem-estar para os usuários, servindo como um ponto de encontro virtual para amigos, familiares e colegas.

Copa do Mundo de recordes

Se você acompanhou a Copa do Mundo de 2022 pela internet, deve saber que a transmissão ao vivo do streamer Casimiro Miguel foi um absoluto sucesso. O criador de conteúdo bateu o recorde de dispositivos conectados três vezes consecutivas, superando o próprio recorde a cada jogo da seleção brasileira.

O resultado não foi o esperado, mas Casemiro pode comemorar mais um recorde (Imagem: Reprodução/CazéTV)
O resultado não foi o esperado, mas Casemiro pode comemorar mais um recorde (Imagem: Reprodução/CazéTV)

Atualmente, o recorde do Cazé é de 6 milhões de aparelhos conectados ao mesmo tempo — total que deve contabilizar celulares, smartTVs, dongles, consoles e mais. O feito do youtuber conseguiu mais views do que a live da SpaceX, companhia de Elon Musk, duranta a preparação de astronautas para uma missão espacial.

A Copa do Catar também movimentou os servidores do Google. O buscador mais famoso do mundo recebeu o maior tráfego de todos os tempos no domingo (18), data da final da competição. Muito provavelmente, usuários do mundo inteiro estavam curiosos para conhecer as seleções da Argentina e França, ou conferir em que lugar poderiam assistir à partida.

A febre do Wordle

Parece que foi em outra época, mas a febre do Wordle aconteceu no começo de 2022. O jogo de adivinhação de palavras virou moda por semanas, com vários usuários compartilhando seu progresso de dedução no Twitter e em outras redes sociais.

O jogo de adivinhação de palavras Wordle foi uma febre no Brasil (Imagem: Captura de tela/Canaltech)
O jogo de adivinhação de palavras Wordle foi uma febre no Brasil (Imagem: Captura de tela/Canaltech)

Durante a onda, várias cópias do jogo surgiram pela internet, incluindo o Termo e o Letreco, duas versões em português do game. Infelizmente, porém, usuários foram deixando o site de lado com o tempo.

As Comunidades do WhatsApp

Uma das novidades mais importantes para a plataforma, as Comunidades do WhatsApp foram lançadas em meados de novembro de 2022. O recurso nada mais é do que uma espécie de “guarda-chuva” de grupos menores, facilitando o controle de conversas com milhares de pessoas sob uma mesma gestão de administradores.

Comunidades são "grupões" que reúnem todos os chats em grupo relacionados a um assunto específico (Imagem: Reprodução/WhatsApp)
Comunidades são "grupões" que reúnem todos os chats em grupo relacionados a um assunto específico (Imagem: Reprodução/WhatsApp)

A novidade é enorme e, dada a relevância do aplicativo no Brasil, deve mudar significativamente a comunicação online de usuários do país. Contudo, os efeitos dessa função só poderão ser vistos no ano que vem, já que o WhatsApp adiou a novidade até 2023. A empresa não revelou o motivo, mas é bastante provável que a decisão tenha sido tomada para evitar impactos nas eleições gerais de 2022.

Atualmente, as Comunidades estão disponíveis em vários países, mas usuários brasileiros são incapazes até de ingressar em canais internacionais. Infelizmente, até agora não há previsão de quando a funcionalidade será liberada no Brasil, mas é bem provável que seja acompanhado de um grande comunicado da companhia.

Inteligência artificial fazendo “arte”

Outra onda que pegou o mundo de surpresa em 2022 foi a apresentação de inteligências artificiais “artistas” — ou, pelo menos, a popularização delas. Os projetos DALL-E e Imagen foram alguns dos destaques do segmento por apresentarem obras convincentes a partir de descrições em texto consideravelmente simples, levantando discussões sobre a autenticidade de arte feita por IA e disputas sobre direitos autorais com artistas humanos.

Porém, as criações de inteligência artificial não se limitaram a imagens estáticas. A Meta, por exemplo, lançou o Make-A-Video, plataforma capaz de gerar GIFs a partir de descrições em texto, e a CICERO, uma IA que superou jogadores humanos no jogo de estratégia Diplomacy.

No fim do ano, a IA que mais chamou a atenção da internet foi o ChatGPT, um chatbot impressionante capaz de escrever códigos de programação, redigir ensaios complexos, dar sugestões de decoração, apresentar ideias para conteúdo e muito mais.

Os avanços tecnológicos em IA foram grandes o suficiente para levantar questionamentos quanto a consciência desses mecanismos. Exemplo polêmico do assunto foi o engenheiro que trabalhava no LaMDA (Language Model for Dialogue Applications), IA do Google, afastado da empresa após ter admitido publicamente que o projeto havia se tornado senciente.

Canaltech completou 10 anos

2022 também foi o ano em que o Canaltech completou 10 anos de existência. O aniversário do site foi marcado por uma série de artigos especiais relacionados às mudanças do mundo da tecnologia nos últimos anos, incluindo redes sociais que caíram no esquecimento, uma retrospectiva da web, os melhores jogos da década e muito mais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: