Mercado abrirá em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,79
    +1,55 (+2,01%)
     
  • OURO

    1.752,70
    +12,40 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    16.498,32
    +312,62 (+1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,17
    +8,88 (+2,33%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    18.016,14
    +718,20 (+4,15%)
     
  • NIKKEI

    28.034,44
    -128,39 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    11.674,75
    +58,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5686
    +0,0194 (+0,35%)
     

Retrato de Marilyn Monroe bate recorde e é leiloado por R$ 1 bilhão

Icônica obra de 1x1 metro de Warhol faz parte de uma série de retratos que o artista fez de Marilyn Monroe. (Carlo Allegri/Reuters)
Icônica obra de 1x1 metro de Warhol faz parte de uma série de retratos que o artista fez de Marilyn Monroe. (Carlo Allegri/Reuters)
  • Obra com Marilyn Monroe é proveniente da coleção da Fundação Thomas e Doris Ammann;

  • Essa é a obra do século 20 comercializada pelo valor mais alto;

  • Serigrafia já foi exibida em alguns dos mais importantes museus do mundo.

A pintura Shot Sage Blue Marilyn ("Marilyn em sálvia-azul alvejada"), de Andy Warhol, com o famoso retrato da atriz Marilyn Monroe feito em 1964, foi vendida por R$ 1 bilhão (US$ 195 milhões) em um leilão nesta segunda-feira (9). Isso fez a obra atingir o valor recorde por qualquer obra de artista norte-americano em leilões.

Essa é também a obra do século 20 comercializada pelo valor mais alto, superando "As Mulheres de Argel", do pintor espanhol Pablo Picasso, que foi vendida por R$ 926 milhões (US$ 179,4 milhões) em 2015.

Apesar dos recordes, o valor ficou abaixo do estimado pela casa de leilões Christie's, em US$ 200 milhões. Foram necessários apenas quatro minutos para um lance que superasse o recorde de Picasso.

A icônica obra de 1x1 metro de Warhol faz parte de uma série de retratos que o maior expoente da pop art fez de Marilyn Monroe após sua morte por overdose de barbitúricos em agosto de 1962.

A obra é proveniente da coleção da Fundação Thomas e Doris Ammann, com sede em Zurique, na Suíça, e todos os rendimentos da venda seriam revertidos para a entidade, dedicada a melhorar a vida de crianças em todo o mundo, com a criação de sistemas de apoio para prestação de cuidados de saúde e programas educacionais.

Esta série de retratos foi renomeada "Shot" depois que um visitante do "The Factory", o estúdio de Warhol em Manhattan, abriu fogo contra eles, fazendo buracos nas telas. Mais tarde, as obras foram restauradas.

Alex Rotter, responsável pela arte dos séculos 20 e 21 da Christie's, chama o retrato de Marilyn de "a pintura mais importante do século 20 a ser leiloada em uma geração". Ele coloca a obra ao nível de pinturas como "Nascimento de Vênus", de Sandro Botticelli, "Mona Lisa", de Leonardo Da Vinci, e Les Demoiselles d'Avignon, de Pablo Picasso, considerando-a "uma das melhores pinturas de todos os tempos".

A serigrafia já foi exibida em alguns dos mais importantes museus do mundo, como o Guggenheim, em Nova Iorque, o Centro Georges Pompidou, em Paris, a Tate Modern, em Londres, o Centro de Arte Rainha Sofia, em Madrid, ou a Neue Nationalgalerie, em Berlim.

Até então, a obra de Warhol mais cara era "Silver Car Crash" (Double Disaster), onde um comprador pagou R$ 538 milhões (US$ 104,5 milhões) em 2013.