Mercado abrirá em 3 h 31 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,45
    +0,44 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.795,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    16.829,31
    +54,68 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,23
    -6,80 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.478,04
    -11,15 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.521,25
    +11,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Retração se aprofunda e zona do euro não deve evitar recessão, mostra PMI

Fábrica da Knaus-Tabbert AG em Jandelsbrunn, Alemanha

LONDRES (Reuters) - Uma queda acentuada na atividade empresarial da zona do euro no mês passado provavelmente colocará em risco qualquer esperança de que o bloco monetário evitará a recessão, no momento em que uma inflação elevada pressiona o Banco Central Europeu a agir, mostrou pesquisa nesta quarta-feira.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) Composto final da S&P Global para a zona do euro, visto como um bom indicador da saúde econômica, caiu para uma mínima de 20 meses de 48,1 em setembro, contra 48,9 de agosto e preliminar de 48,2. Qualquer coisa abaixo de 50 indica contração.

"Qualquer esperança de que a zona do euro evite a recessão é ainda mais frustrada pela queda acentuada na atividade empresarial sinalizada pelo PMI", disse Chris Williamson, economista-chefe de negócios da S&P Global Market Intelligence.

"Não apenas a pesquisa aponta para um agravamento da retração econômica, mas o quadro de inflação também se deteriorou, o que significa que os formuladores de política monetária enfrentam um risco crescente de pouso duro enquanto procuram conter a aceleração da inflação."

Revertendo uma tendência descendente, tanto o índice compostos de preços de insumos quanto o de custos de produção subiram acentuadamente. Os preços de insumos PMI saltaram de 72,3 para 77,1.

Os preços crescentes, particularmente os custos de energia, juntamente com uma perspectiva econômica sombria, mantiveram os consumidores atentos e o PMI para o setor de serviços do bloco afundou de 49,8 para 48,8 no mês passado, seu valor mais baixo desde fevereiro de 2021.

"A inflação crescente, ligada à crise energética e à guerra na Ucrânia, está destruindo a demanda ao mesmo tempo em que a confiança das empresas está caindo para níveis não vistos desde a crise da dívida da região em 2012, excluindo os lockdowns contra a pandemia", disse Williamson.

(Reportagem de Jonathan Cable)