Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.178,75
    -1.062,88 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.621,50
    -836,52 (-1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,99
    +0,63 (+1,20%)
     
  • OURO

    1.839,70
    +9,80 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    36.701,55
    +259,82 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    724,12
    +8,93 (+1,25%)
     
  • S&P500

    3.802,71
    +34,46 (+0,91%)
     
  • DOW JONES

    30.979,21
    +164,95 (+0,54%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.985,75
    +183,50 (+1,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4762
    +0,0809 (+1,26%)
     

Retorno ao protecionismo preocupa agricultores na Argentina

Jonathan Gilbert
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A proibição das exportações de milho na Argentina gera receio entre agricultores e tradings que um dos maiores fornecedores de alimentos do mundo retorne à era de intervenção nos mercados agrícolas.

A medida cria mais um fator para a valorização dos contratos futuros de grãos globais, já que a Argentina é o terceiro maior exportador de milho. Também desperta a preocupação de um aumento do nacionalismo alimentar no mundo todo com os obstáculos no comércio causados pela pandemia.

O governo argentino suspendeu os embarques de milho até fevereiro para obrigar agricultores a venderem para a pecuária local. A ideia é conter os custos da ração e, por sua vez, os preços da carne bovina, suína, de frango, ovos e leite em um país onde a inflação tem previsão de atingir 50% neste ano.

Em protesto, três das quatro principais associações agrícolas da Argentina recomendaram que os membros suspendam o comércio entre 11 e 13 de janeiro, aumentando instabilidade do setor, pois trabalhadores portuários fizeram greve por melhores salários. Mas o presidente da Argentina, Alberto Fernández, se mantém firme. Ele disse a uma rádio na quarta-feira que os preços domésticos dos alimentos precisam ser dissociados dos valores de exportação.

Os agricultores argentinos já enfrentaram esse tipo de intervenção antes e, segundo eles, é contraproducente, pois isso restringe o investimento e o plantio e acaba levando à escassez. O setor está preocupado com a extensão da proibição, tanto do prazo quanto para outros produtos, como trigo e carne bovina.

Desde que o governo anunciou a suspensão das exportações em 30 de dezembro, os futuros de Chicago avançaram mais de 3%, estendendo os ganhos nos últimos seis meses para 43%. Os preços globais agrícolas sobem com a demanda de investidores por commodities em meio à desvalorização do dólar e o clima seco da América do Sul, que diminui as perspectivas de abastecimento. Além disso, a China repõe o plantel de suínos que foi devastado pela peste suína africana.

O Ministério da Agricultura da Argentina não quis comentar a possibilidade de novos limites de exportação. No entanto, quando o governo elevou os impostos sobre embarques dias após a posse no final de 2019, os aumentos para grãos e carne bovina foram menores do que o esperado e as vendas para o exterior permaneceram nos níveis da era Macri.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.