Mercado fechará em 6 h 9 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,19
    +3,01 (+4,55%)
     
  • OURO

    1.788,80
    +12,30 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    57.208,57
    -932,02 (-1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,45
    +25,68 (+1,78%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.158,66
    +99,21 (+1,41%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.382,75
    +232,25 (+1,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3558
    -0,0142 (-0,22%)
     

Retorno à Lua: relatório alerta que pouso de astronautas deve atrasar ainda mais

·3 min de leitura

No início de novembro, a NASA anunciou que, devido a diversos obstáculos, o pouso de novos astronautas na superfície lunar acontecerá a partir de 2025, ou seja, pelo menos um ano após o cronograma apresentado inicialmente para o programa Artemis. Entretanto, é possível que ainda mais adiamentos aconteçam. Um relatório produzido pelo Escritório de Inspeção Geral (ou “OIG”, na sigla em inglês) alerta que o cronograma de desenvolvimento do lander lunar é agressivo demais e o tão aguardado pouso poderá ser ainda mais adiado.

Os oficiais envolvidos na produção do documento do OIG descobriram que o cronograma de desenvolvimento do HLS é irrealista quando comparado àquele de outros programas de voos espaciais da NASA. “Especificamente, os programas de voos espaciais desenvolvidos nos últimos 15 anos levaram, em média, 8,5 anos desde a assinatura do contrato até o primeiro voo operacional, e o programa Human Landing System (HLS) está tentando fazer o mesmo em metade do tempo”, explicaram.

Representação de lander lunar Starship, da <a class="link rapid-noclick-resp" href="https://canaltech.com.br/empresa/spacex/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:SpaceX">SpaceX</a>, para pousos na Lua com o programa Artemis (Imagem: Reprodução/SpaceX)
Representação de lander lunar Starship, da SpaceX, para pousos na Lua com o programa Artemis (Imagem: Reprodução/SpaceX)

O relatório destacou também que a NASA está ciente há algum tempo dos problemas dos prazos do programa e mencionou um relatório publicado em fevereiro de 2020. O documento foi produzido pela Aerospace Corporation, e concluiu que o módulo de pouso para levar os astronautas à superfície da Lua não ficaria pronto até a metade de 2026. Por isso, com base na média de atrasos recentes nos programas espaciais da NASA, o relatório do OIG concluiu que o programa HLS pode enfrentar até 4,3 anos de atrasos antes dos voos operacionais começarem.

Neste cenário, o pouso na Lua aconteceria somente em 2028. Caso isso realmente aconteça, os outros planos e elementos do programa também serão afetados, mesmo que estejam no cronograma, como é o caso do foguete Space Launch System e da NASA. O relatório foi produzido quando a agência espacial ainda esperava que a missão Artemis I fosse lançada em 2021, mas descreve que o lançamento deverá ocorrer somente durante a primavera de 2022 nos Estados Unidos. Em paralelo, a NASA havia anunciado em outubro que a missão não seria lançada antes de fevereiro do ano que vem.

Ainda segundo o relatório, os oficiais da NASA levantaram a possibilidade de que, caso os demais sistemas necessários não estejam prontos a tempo, a missão Artemis III poderá ser voltada para a realização de um sobrevoo adicional ao redor da Lua, sem o pouso tripulado planejado anteriormente. O documento trouxe críticas sobre os custos do programa, mas a NASA rejeitou as recomendações de desenvolver uma estimativa geral dos custos da empreitada como um todo.

Devido ao alto valor envolvido, o OIG sugeriu que a NASA considere alternativas para o foguete SLS e a cápsula Orion, como o Starship, da SpaceX, ou o New Glenn, da Blue Origin. Embora o relatório não inclua recomendações específicas para a NASA sobre reconsiderar alternativas ao SLS e à Orion, os líderes da agência consideram que os veículos continuam como o único caminho para missões lunares tripuladas. De acordo com Jim Free, administrador associado da NASA para o desenvolvimento de sistemas de exploração, a agência espacial já segue as melhores práticas e políticas para fornecer estimativas de custos para programas e projetos aprovados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos