Mercado fechará em 6 h 40 min
  • BOVESPA

    119.381,61
    +84,48 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,53
    +1,35 (+2,24%)
     
  • OURO

    1.742,60
    -5,00 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    64.535,47
    +1.404,76 (+2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.389,27
    +95,28 (+7,36%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.914,49
    +24,00 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.999,00
    +23,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8512
    +0,0200 (+0,29%)
     

Retomada ganha força e economia cresce 1,04% em janeiro, diz BC

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A retomada ganhou força em janeiro e a atividade econômica cresceu 1,04% no mês, segundo o indicador IBC-Br do BC (Banco Central) divulgado nesta segunda-feira (15). O índice alcançou o maior patamar desde maio de 2015. O indicador é medido em pontos e chegou a 140,02 no período. Em janeiro de 2020, o índice era de 138,54 pontos e foi a 140,24 em fevereiro. A partir de então, a atividade começou a cair e chegou ao menor nível em abril, com 119,93 pontos. O número foi calculado com ajuste sazonal (que remove particularidades do período, como número de dias úteis) para facilitar a comparação com outros meses. Após o início da pandemia, o fechamento dos comércios e o isolamento social afetaram a economia. Com a reabertura e flexibilização do distanciamento, a atividade segue em recuperação, observada desde maio. No acumulado dos 12 meses terminados em janeiro, houve queda de 4,04%. Em dezembro, o crescimento do setor produtivo foi de 0,64%, acima do registrado no mês anterior, de 0,59%, que foi a menor desde maio, quando a economia começou a se restabelecer depois do tombo causado pela pandemia. Em março, quando o vírus chegou ao país, houve redução de 5,90% no setor produtivo, segundo informado na época, já sob efeito do isolamento social. Com a população em casa, o consumo diminuiu em diversos setores, como transporte e hospedagem, e a atividade econômica despencou. O pior resultado foi registrado em abril, quando a economia caiu 9,73%, nível mais baixo desde outubro de 2006 e maior queda entre um mês e outro em toda a série histórica, iniciada em 2003. Maio já trouxe resultado positivo em relação a abril, de 1,3%, mas ficou aquém das expectativas do mercado, que eram de 4,5%. O IBC-Br mede a atividade econômica do país e é divulgado desde março de 2010. Ele foi criado para auxiliar em decisões de política monetária, já que não existe outro dado mensal de desempenho do setor produtivo. O indicador do BC leva em conta o desempenho dos principais setores da economia: indústria, agropecuária e serviços.