Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    17.089,93
    +365,13 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Retomada econômica deve ter investimento privado, diz presidente do BC

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  01-10-2020, 12h00: O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 01-10-2020, 12h00: O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a retomada da economia após a pandemia do novo coronavírus deve ser feita com mais investimento privado e menos dinheiro público para ser sustentável.

Ele participou nesta segunda-feira (16) de evento virtual promovido pela organização Chatham House e pelo Development Bank of Latin America.

"Com credibilidade poderemos atrair mais dinheiro privado e tornar o crescimento mais sustentável", avaliou.

Questionado sobre a possibilidade de abismo fiscal -recessão causada por redução de gastos públicos e aumento de impostos-, ele afirmou que uma das soluções seria atrair investimento privado e voltou a defender o teto de gastos.

"É preciso ter credibilidade. Gastamos mais do que qualquer outro país [na pandemia] e o teto permitiu isso com uma penalização menor. Quando começamos a flertar com a ideia de derrubar o teto, vimos efeito negativo imediato no mercado", afirmou.

O teto de gastos limita o aumento das despesas do ano seguinte à inflação do ano anterior. Em razão da pandemia, o governo foi autorizado a extrapolar esse limite.

Sobre o projeto de autonomia do BC, que foi aprovada no Senado no início deste mês, ele afirmou que considera um passo importante. "Especialmente neste momento, é importante poder passar a mensagem de que o Banco Central é independente e que pode atuar de olho no longo prazo", pontuou.

A proposta ainda precisa ser apensada a outro texto, que tramita na Câmara, para ser votada na Casa e depois sancionada pelo presidente da República.

"Às vezes é preciso sacrificar o curto prazo para ter maior equilíbrio no longo prazo", ponderou.

Ele defendeu ainda que os avanços tecnológicos no sistema financeiro fomentará a competição no setor. "A inovação é a maior ferramenta de inclusão financeira e pode democratizar o acesso a produtos bancários", disse.