Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    59.805,57
    -1.165,02 (-1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Resultados eleitorais não ajudam títulos da Argentina

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As eleições primárias da Argentina trouxeram os resultados que investidores esperavam, enviando um forte alerta ao presidente Alberto Fernández e às políticas econômicas de seu governo.

Most Read from Bloomberg

Foi exatamente o que operadores, que haviam impulsionado os títulos soberanos para uma máxima de nove meses antes das eleições, previam: uma derrota tão ampla que certamente levaria Fernández a finalmente deixar de lado políticas fracassadas dos radicais da Argentina e se voltar para a ortodoxia econômica nos últimos dois anos de seu governo.

No entanto, o presidente argentino parece ir na direção oposta.

Logo após o resultado negativo há duas semanas, Fernández fez mudanças no ministério substituindo alguns dos mais moderados. Prometeu aumentar gastos sociais antes das eleições de novembro que decidirão o controle das duas casas do Congresso. E elevou a impressão de dinheiro para pagar todas essas contas, medida que pode acelerar ainda mais a inflação já em 50%.

Os títulos sentiram o impacto das políticas econômicas populistas de Fernández, registrando um dos piores desempenhos do mundo desde as eleições e causando perdas aos investidores acima de 3%. Recentemente, os preços caíram para cerca de 30 centavos de dólar, o menor nível desde julho, devido à preocupação de que os maiores gastos deteriorem ainda mais as já precárias finanças da Argentina, prejudiquem a moeda e acabem levando a outro default multibilionário, o quarto do país neste século.

Somando-se ao pessimismo do mercado está a falta de eventos no horizonte que poderiam fornecer algum alívio antes das eleições gerais em 2023. Um acordo para reprogramar o crédito de US$ 45 bilhões da Argentina com o Fundo Monetário Internacional já teria sido um fator positivo. Mas as negociações serão complicadas pela insistência de Fernández em gastos populistas, o que esvaziará as já baixas reservas líquidas da Argentina até o fim do ano, de acordo com Mauro Roca, diretor-gerente de mercados emergentes da TCW Group, em Los Angeles.

“O governo de Alberto Fernández está praticamente apostando a casa nas eleições de meio de mandato”, disse Roca, que administra US$ 17 bilhões em ativos de mercados emergentes. “Haverá retorno para essas políticas na forma de inflação, e as negociações com o FMI ocorrerão em condições ainda piores do que as que vemos agora.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos