Mercado fechará em 3 h 25 min
  • BOVESPA

    109.711,58
    -420,95 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.043,47
    -157,12 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,17
    -0,54 (-1,18%)
     
  • OURO

    1.812,10
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    17.174,46
    -804,71 (-4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    335,55
    -34,97 (-9,44%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.360,81
    -30,28 (-0,47%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.187,75
    +35,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3287
    -0,0090 (-0,14%)
     

Resultados da vacina de Oxford podem sair antes do Natal

Natalie Rosa
·1 minuto de leitura

O mundo todo está esperando o momento em que, finalmente, todos seremos vacinados contra o coronavírus. Porém, o passo que vai anteceder esse objetivo ainda é descobrir a eficácia das doses. Felizmente, podemos ter notícias sobre a potência da vacina da Universidade de Oxford contra a COVID-19 ainda neste ano, segundo Andrew Pollard, investigador chefe da pesquisa.

"Estou otimista que podemos chegar a esse ponto antes do final deste ano", conta Pollard, dizendo ainda que há uma pequena chance de que os resultados sejam divulgados ainda antes do Natal. Em entrevista recente à BBC, Kate Bingham, chefe do Vaccine Taskforce, esforço de implementação da vacina no Reino Unido e no mundo, contou que há uma possibilidade de que o lançamento de qualquer vacina já comprovada aconteça antes do fim do ano, mas que o cenário mais realístico é para o início do ano que vem.

<em>Imagem: Reprodução/Cottonbro/Pexels</em>
Imagem: Reprodução/Cottonbro/Pexels

Mas em um artigo escrito para o site da revista The Lancet, Bingham foi ainda mais realista, dizendo que também há a chance de nem sequer termos uma vacina, e que é importante estarmos protegidos contra o excesso de otimismo. "A primeira geração de vacinas pode ser imperfeita e nós devemos nos preparar para que ela talvez não previna a infecção, mas reduza os sintomas e, mesmo assim, possa não funcionar para todo mundo ou por muito tempo", afirmou.

Bingham diz ainda que o Vaccine Taskforce reconhece que muitas (ou todas) as vacinas podem falhar e que o foco vem sendo na estimulação de respostas imunológicas na população que possui mais de 65 anos. Além disso, a capacidade de fabricação global de vacinas é altamente inadequada para as bilhões de doses necessárias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: