Mercado fechará em 5 hs
  • BOVESPA

    117.787,44
    +589,62 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.006,41
    +160,58 (+0,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,72
    +0,96 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.720,00
    -0,80 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    20.066,69
    +176,72 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    457,16
    -5,96 (-1,29%)
     
  • S&P500

    3.772,81
    -10,47 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    30.164,77
    -109,10 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.979,91
    -72,71 (-1,03%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,77 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.600,50
    -23,25 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0999
    -0,0363 (-0,71%)
     

Resultado apertado nas urnas pode ser maior risco de cauda para real, diz Goldman Sachs

Notas de real e dólar

(Reuters) - Um resultado acirrado nas urnas pode ser o maior risco de cauda para o real neste momento, a menos de três semanas do primeiro turno das eleições presidenciais, disseram estrategistas do Goldman Sachs em nota, ressalvando, porém, que a moeda brasileira ainda é "compra" frente a pares que não o dólar contanto que a eleição siga "sem drama".

Pesquisa BTG/FSB mostrou nesta segunda-feira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 6 pontos percentuais de vantagem na liderança da disputa presidencial sobre o atual mandatário e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), em uma oscilação para baixo da dianteira de 8 pontos que detinha há uma semana.

Os profissionais do Goldman Sachs notaram que algumas medidas de percepção da eleição têm se mantido "relativamente estáveis" conforme se aproxima 2 de outubro, o que eles atribuem a uma combinação de elevado "carry" (retorno de taxa de juros) do real, maior sensibilidade (beta) da moeda aos preços das commodities, a queda recente do dólar e o ambiente global.

Além disso, os altos preços das matérias-primas, a inflação que permaneceu por meses em dois dígitos e uma recuperação econômica moderada proporcionam algum alívio temporário para os desafiadores problemas fiscais do Brasil --e esses fatores podem estar tirando o foco dos investidores de potenciais diferenças de política econômica entre os principais candidatos, disseram.

"De fato, alguns investidores de câmbio parecem mais preocupados com um resultado próximo e qualquer volatilidade (derivada da) política do que com um resultado que apresente uma ampla margem de vitória. Nós tendemos a concordar", acrescentaram os profissionais.

De toda forma, ponderam, ainda que o peso mexicano seja a moeda favorita do Goldman Sachs para compra na América Latina, o elevado "carry" e baixa exposição da moeda brasileira a algumas fontes de choques globais (como os originados na Europa) mostram que o real é uma "compra razoável frente a pares que não o dólar nas próximas semanas, desde que as eleições continuem sem drama".

(Por José de Castro)