Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.515,64
    +1.409,79 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

Restrições à mobilidade podem impactar crescimento de curto prazo, diz Campos Neto

Marcela Ayres
·1 minuto de leitura
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quinta-feira que a autoridade monetária tem observado uma suavização da atividade econômica e que, caso haja restrição de mobilidade no país em função da Covid-19, pode haver impacto no crescimento de curto prazo.

Mas ele ressaltou que houve avanços importantes no desenvolvimento das vacinas.

Em coletiva de imprensa para comentar o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), Campos Neto também reiterou que uma solução definitiva para a crise da pandemia, com as vacinas, sempre será mais eficiente do que discussões sobre uma eventual prorrogação do auxílio emergencial.

Para o presidente do BC, é importante esperar para avaliar os resultados do que está sendo feito no campo da vacinação, tanto em termos de logística como também a reação da população.