Mercado fechará em 4 h 39 min
  • BOVESPA

    120.211,39
    +149,40 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.807,75
    -59,87 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,61
    +0,26 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.784,80
    -8,30 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    54.551,68
    -819,99 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.276,87
    +33,82 (+2,72%)
     
  • S&P500

    4.172,23
    -1,19 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.069,77
    -67,54 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.933,10
    +37,81 (+0,55%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.910,50
    -8,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6123
    -0,0897 (-1,34%)
     

Restos humanos revelam antiga migração para a Europa

Sara HUSSEIN
·1 minuto de leitura
Caverna de Bacho Kiro, na Bulgária, onde foram encontrados os restos humanos de 45.000 anos de antiguidade

O sequenciamento genético de restos humanos de 45.000 anos de antiguidade revelou uma migração para a Europa e mostrou que as misturas com populações neandertais foram mais comuns do que se acreditava.

Esses restos humanos, que incluem um dente inteiro e fragmentos de ossos, foram encontrados em uma caverna na Bulgária em 2020.

O sequenciamento genético sugere "que pertenciam a uma migração humana moderna na Europa que ainda não se conhecia" na história genética das migrações, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (7) pela revista Nature.

Além disso, constitui uma "prova de que houve uma certa continuidade entre os primeiros humanos modernos na Europa e os homens que viveram mais tarde na Eurásia", acrescenta o estudo.

São descobertas que "mudam a nossa compreensão inicial das primeiras migrações humanas na Europa", afirmou Mateja Hajdinjak, pesquisadora do Instituto de Antropologia Evolutiva alemão Max Planck, que dirigiu a pesquisa.

Isso mostra como "a história dos europeus modernos pode ter sido tumultuada na Europa" e que esta pode "ter implicado substituições de populações", explicou Hajdinjak à AFP.

Os restos, encontrados na caverna Bacho Kiro na Bulgária, mostraram em um primeiro momento que os humanos conviveram com os neandertais na Europa antes do que se pensava.

No entanto, a análise genética dos restos também revelou que esses primeiros humanos e neandertais se reproduziam entre si mais do que se acreditava.

Todos os "indivíduos da caverna Bacho Kiro têm ancestrais neandertais em cinco ou sete gerações anteriores à sua, o que sugere que as misturas entre esses primeiros humanos na Europa e os neandertais eram frequentes", segundo Hajdinjak.

A primeira evidência dessa mistura surgiu na descoberta de um único indivíduo, chamado Oase 1, de 40.000 anos de idade, na Romênia.

sah-pcl/juc/fmp/ide/jvb/mb/aa