Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,62%)
     
  • BTC-USD

    48.336,81
    -163,69 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    964,80
    -29,86 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7385
    +0,1680 (+2,56%)
     

Restaurantes enchem na reabertura, mas donos ainda se queixam de restrições

BRUNA NARCIZO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de terem de fechar as portas no fim de semana passado, os restaurantes de São Paulo reabriram neste sábado (6), e com bastante movimento. Após pressão do setor, o governador João Doria (PSDB-SP) anunciou o retorno da região metropolitana para a fase amarela e permitiu que os restaurantes da capital pudessem reabrir nos finais de semana e até as 22h. Mesmo com as novas regras e as casas cheias, os donos dos estabelecimentos afirmam que o faturamento ainda está abaixo do que era registrado antes da pandemia do novo coronavírus. "Estamos lotados neste sábado, mas o faturamento ainda está 60% abaixo do que era antes da pandemia", afirma Paulo Sousa, dono das casas Nou, Negroni Bar e Bar Estepe. Entre os motivos listados para a queda nas vendas estão as limitações de horário e lugares. "Estamos trabalhando com 40% da capacidade das casas. Então, não é difícil encher e tem um movimento de delivery que a gente não tinha antes. Por isso, nosso faturamento está 60% do que era", diz Fellipe Zanuto, proprietário das casas Cantina, Hospedaria, A Pizza da Mooca e Da Mooca Pizza Shop. Segundo os proprietários, o movimento muda conforme os anúncios de avanço e regressão de fase são feitos. "Nós temos visto que, cada vez que o governo anuncia que vai reduzir os horários, antes mesmo de reduzir o movimento cai, e, cada vez quem vem com notícias positivas, o movimento sobe", afirma Marco Kerkmeester, fundador do Santo Grão. Com oito casas próprias, Kerkmeester afirma que as casas que ficam em prédios corporativos ainda amargam faturamento de 35% do que era antes da pandemia. Outra reclamação recorrente é a falta de programação por parte do governo na decisão de abrir e fechar os estabelecimentos. "Esse vaivém é péssimo. Como dona de restaurante, eu vejo o tamanho do prejuízo. Trabalhamos com tudo perecível. A gente faz uma produção enorme e no dia seguinte vem a decisão de fechar. Aí perdemos tudo", diz Renata Vanzetto, dona das casas Ema, MeGusta Bar, Mé Taberna, Matilda Lanches e Muquifo Restaurante. Na quarta-feira (3), o governador João Doria anunciou um pacote de ajuda para o setor. A ajuda inclui oferta de crédito, parcelamento de débitos, suspensão de protestos e proibição do corte de fornecimento de gás e água para quem não conseguir quitar as faturas. Serão disponibilizados R$ 125 milhões adicionais em crédito por meio do Banco do Povo e da agência Desenvolve SP. Apesar das medidas, bares só podem ficar abertos até às 20h.