Mercado abrirá em 6 h 25 min
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,71
    -0,70 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.794,70
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.001,07
    -442,73 (-1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    568,81
    -21,96 (-3,72%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.937,60
    -103,26 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.659,00
    -22,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1804
    +0,0019 (+0,04%)
     

Restaurantes criticam vale-refeição em dinheiro, e Paulinho da Força diz que é conversa fiada

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 06.07.2020 - Movimento em restaurante na capital paulista. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 06.07.2020 - Movimento em restaurante na capital paulista. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O setor de bares e restaurantes enviou carta aos deputados nesta semana criticando a sugestão de Paulinho da Força (Solidariedade-SP) para o pagamento dos vales refeição e alimentação em dinheiro, mas o deputado, que é relator da medida provisória sobre o assunto, rebateu. Para ele, o argumento de que a mudança quebraria os estabelecimentos é "conversa fiada para tentar manter monopólio".

Para Paulinho, caso o benefício seja dado em dinheiro, o trabalhador continuará comendo nos restaurantes, desde que a comida seja boa e barata. Os donos de restaurantes acham que o funcionário vai gastar o valor com outras despesas, o que pode colocar em risco os pequenos estabelecimentos, mais dependentes das receitas com vales.

"Quem sabe melhor dessa situação é o trabalhador, não o dono do restaurante nem o dono do tíquete. Se, em uma convenção coletiva, um determinado sindicato fizer um acordo transformando o vale-refeição em dinheiro, não sou eu que vou decidir", afirma.

Ainda de acordo com o deputado, o relatório da medida provisória considerou as opiniões de todos os interessados, "mas priorizou, ao final, o interesse do trabalhador brasileiro".

No material enviado ao deputado por meio da Abrasel (associação dos bares e restaurantes), o setor diz que ainda não conseguiu se recuperar do baque da pandemia e agora sofre os efeitos da inflação. Cerca de 30% dos estabelecimentos têm prejuízos mensais e 74% deles não conseguiram repassar o aumento de custos para o cardápio.

Joana Cunha com Paulo Ricardo Martins e Gilmara Santos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos