Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.714,33
    -1.674,77 (-4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Resposta ao TikTok, YouTube Shorts chega ao Brasil nesta segunda-feira (7)

·3 minuto de leitura

O YouTube Shorts finalmente chegou ao Brasil — aos poucos, pelo menos. O Google começa a disponibilizar nesta segunda-feira (7) para alguns usuários do país a sua nova ferramenta de criação de vídeos curtos. Considerada sua resposta ao TikTok e ao Instagram Reels, a novidade permite a produção de vídeos de até 60 segundos com diversas ferramentas de edição e integração com os milhões de conteúdos já existentes na plataforma.

De acordo com a empresa, a previsão inicial é que pelo menos um quarto dos usuários brasileiros já tenha acesso ao Shorts neste primeiro momento, e que, aos poucos, mais pessoas comecem a ter seus aplicativos atualizados. A expectativa é que a ferramenta esteja totalmente disponível no país entre duas e quatro semanas. Até então, somente a visualização deste conteúdo estava disponível.

Principal destaque do Shorts é o botão Criar adicionado a boa parte dos vídeos, que permite que eles sejam facilmente integrados às montagens (Imagem: Divulgação/YouTube)
Principal destaque do Shorts é o botão Criar adicionado a boa parte dos vídeos, que permite que eles sejam facilmente integrados às montagens (Imagem: Divulgação/YouTube)

E justamente por ser essa resposta ao TikTok e ao Reels, o funcionamento do Shorts segue a mesma lógica, ou seja, permitindo que o usuário faça pequenos clipes e montagens com outros vídeos para consumo rápido na própria plataforma. A principal diferença está na duração do material, que aqui chega a até um minuto, e nas ferramentas oferecidas para fazer essas colagens.

Segundo o diretor de produto do YouTube Shorts, Todd Sherman, o grande diferencial da novidade do Google é a facilidade que o usuário terá de reaproveitar conteúdos já existentes dentro dos serviços da empresa para criar algo novo. A partir do botão Criar, que será adicionado a praticamente todo vídeo do YouTube, o usuário do Shorts vai poder extrair um trecho para fazer suas próprias montagens em cima.

“Essa é a principal diferença do Shorts”, explica Sherman em relação à concorrência. “Estamos criando um ecossistema amplo, integrado com os demais vídeos do YouTube e com o YouTube Music. Isso significa que você pode usá-los e ainda fazer essa ligação com a fonte. É um tipo de conteúdo muito mais completo e estamos muito curiosos para ver como isso vai ser usado na prática”.

Segundo ele, a função Criar e a possibilidade de o espectador saber de onde aquele material foi retirado fazem com que o Shorts seja uma plataforma com alto poder de viralização, tanto para a montagem em si quanto para o material-base.

Como vai funcionar a monetização?

Já em relação à monetização do formato, Sherman disse que o modelo ainda está sendo estudado. “Os criadores de conteúdo olham para o YouTube como um lugar onde eles podem monetizar suas produções e isso é muito importante para nós. Só que esse é um novo modelo de negócio e, por isso, também precisamos criar e testar um novo modelo de monetização desses vídeos”, diz.

O gerente de produto lembra que, no caso de vídeos longos, é fácil adicionar comerciais que vão gerar receita para os canais, mas que isso ainda precisa ser melhor pensado e trabalhado em vídeos mais curtos e de consumo rápido.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: