Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.568,12
    +43,53 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Resistência a antibióticos está aumentando e a culpa é da pandemia da covid

A resistência a antibióticos (antimicrobiana) é um grave problema de saúde global, provocado pelo uso indevido de remédios. Neste cenário, algumas bactérias podem se tornar mais resistentes e sobreviverem a inúmeros medicamentos, dificultando a cura. Com a pandemia da covid-19, o cenário piorou, segundo especialistas.

Em 2019, antes do início da pandemia da covid-19, a resistência a antibióticos provocou 4,95 milhões de mortes em todo o mundo, segundo estudo publicado na revista científica The Lancet. Nesta circunstâncias, a condição se tornava a terceira principal causa de morte no mundo, após doenças cardiovasculares e câncer.

A partir de dados de 2020, cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam que a detecção de bactérias resistentes a antibióticos triplicou em relação a 2019 no Brasil. Em outras palavras, as superbactérias — como são chamados os agentes infecciosos que resistem aos remédios comuns — estão cada vez mais frequentes.

Pandemia e antibióticos

Não faz sentido pensar no aumento do uso de antibióticos, prescritos para o combate de bactérias, para o controle da covid-19, provocada por um vírus. No entanto, medicações do tipo foram amplamente adotadas durante a pandemia para combater o coronavírus SARS-CoV-2.

Em artigo para a revista Scientific American, a dupla de pesquisadores Sumanth Gandra, da Washington University, e Madhukar Pai, da McGill University, classifica como "desenfreado e inapropriado" o uso de antibióticos na pandemia.

Com a pandemia da covid-19, uso excessivo e descontrolado de antibióticos aumentou em todo o mundo (Imagem: Twenty20photos/Envato)
Com a pandemia da covid-19, uso excessivo e descontrolado de antibióticos aumentou em todo o mundo (Imagem: Twenty20photos/Envato)

Vale observar que o uso de antibióticos no tratamento da infecção causada pela covid-19 deve ser encarado apenas como uma exceção, jamais como regra. Por exemplo, pode ser prescrito quando o paciente foi diagnosticado também com uma infecção bacteriana (secundária) ou com uma suspeita do quadro.

Qual o impacto do uso excessivo na saúde global?

Com o uso excessivo de antibióticos, as bactérias — que causam infecções rotineiras no sangue, pulmões e trato urinário — se tornam cada vez mais resistentes aos medicamentos existentes. Além disso, a resistência antimicrobiana dificulta o tratamento de doenças comuns em países de baixa renda, como febre tifoide e tuberculose.

Os pesquisadores apontam ainda que "a indústria farmacêutica não tem interesse suficiente no desenvolvimento de [novos] antibióticos, pois o mercado para esta classe de remédios não é lucrativo". "Podemos perder 10 milhões de pessoas a cada ano em todo o mundo até 2050 devido a doenças que antes podíamos tratar. Infelizmente, 90% dessas mortes acontecerão em países de baixa e média renda", acrescentam.

Países em que a resistência a antibióticos deve ser um desafio

No momento, a dupla de pesquisadores aponta para cinco principais países em que a resistência a antibióticos deve ser encarada e pode se tornar um problema maior:

  • Índia;

  • Bangladesh;

  • Paquistão;

  • Brasil;

  • Jordânia.

O problema do uso de antibióticos no Brasil

Sobre a questão da resistência a antibióticos no Brasil, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Sorocaba liderou um estudo sobre o aumento do uso da azitromicina durante a pandemia. Publicada na revista científica Frontiers in Pharmacology, a pesquisa aponta para o crescimento no uso desta medicação, o que deve potencialmente desencadear problemas na saúde pública.

"Entre os candidatos a um possível tratamento [contra a covid-19] estava a azitromicina sozinha ou em combinação com outras drogas. Como resultado, muitos médicos no Brasil prescreveram azitromicina na tentativa de combater ou minimizar os efeitos da covid-19", explicam os autores sobre os motivos que levaram a este uso excessivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: