Mercado abrirá em 8 h 25 min
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,78
    +1,19 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.814,20
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    29.132,67
    -703,10 (-2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,51
    -21,17 (-3,16%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.179,30
    -464,98 (-2,25%)
     
  • NIKKEI

    26.421,57
    -489,63 (-1,82%)
     
  • NASDAQ

    11.939,25
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2379
    +0,0196 (+0,38%)
     

Resident Evil | Série da Netflix aproveita eventos dos games em universo próprio

Com a chegada dos primeiros teasers de Resident Evil: A Série, também foi hora do showrunner Andrew Dabb (Supernatural) falar um pouco sobre as inspirações e origens da história que veremos a partir de julho na Netflix. Segundo ele, a ideia é criar uma atração que, enquanto original e situada no mesmo universo, também leva em conta todos os eventos dos jogos da forma como aconteceram.

Isso significa que, por exemplo, o trecho em nosso tempo, com a cidade de New Raccoon City em 2022, acontece um ano depois de Resident Evil Village. No seriado, a cidade efetivamente foi detonada após o vazamento de um vírus em 1998 e, no que talvez soe como o mais estranho de tudo, Albert Wesker realmente morreu em 2006, ano em que o quinto jogo da franquia se passa.

Ainda assim, será ele um dos personagens centrais da série, interpretado por Lance Reddick (John Wick). De acordo com Dabb, há uma “razão muito boa” para o retorno do personagem, com sua agora suposta morte sendo abordada no seriado e não envolvendo alguma desculpa como uma imunidade a fogo — em Resident Evil 5, Wesker morre após cair no interior de um vulcão, sendo explodido por dois foguetes disparados pelos heróis Chris e Sheva logo na sequência.

De acordo com o showrunner de Resident Evil: A Série, a cronologia dos jogos serve como uma trama pregressa ao seriado, que será centrado em personagens começando a descobrir que a Umbrella não é tão boazinha quanto tenta parecer — vale a pena lembrar que, nos games, a empresa acabou anos antes, apesar de ressurgir aqui e ali entre grupos terroristas e unidades paramilitares. Isso também se aplica aos personagens, com Dabb deixando a porta aberta para a aparição de velhos conhecidos, mas sem falar de forma específica.

Uma das citadas, por exemplo, é Lady Dimitrescu, uma vez que os eventos de Resident Evil Village se passam cerca de um ano antes do período contemporâneo da série. Segundo ele, se os produtores quiserem, podem colocar uma “vampirona” na segunda temporada do show, mas que a ideia é não jogar personagens a esmo, e sim inseri-los de forma orgânica e de acordo com a abordagem dos fãs aos novos eventos e títulos da franquia.

Dabb, inclusive, parece saber de segredos que muito fã adoraria conhecer, afirmando que a parceria com a Capcom durante o desenvolvimento de Resident Evil: A Série foi incrivelmente aberta. O showrunner diz que a equipe teve acesso ao que a produtora podia mostrar, o que tornou a vida de todos mais fácil — ele garantiu a aparição de rostos familiares, humanos ou não, ao longo dos capítulos.

Resident Evil: A Série também tem Ella Balinska (As Panteras), Siena Agudong (Hawaii Five-0), Tamara Smart (Artemis Fowl), Adeline Rudolph (Riverdale) e Paola Nuñez (Bad Boys Para Sempre) no elenco. Serão oito episódios liberados de uma só vez no dia 14 de julho, exclusivamente na Netflix.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos