Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.493,07
    +341,69 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Resident Evil: A Série | Como Albert Wesker está vivo?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Desde o início da divulgação de Resident Evil: A Série, um ponto chamou a atenção dos fãs dos games e, também, de quem esperava com ansiedade a produção da Netflix. Albert Wesker (Lance Reddick) não só estava vivo como também trabalhando para uma nova Umbrella, envolvido na criação de um medicamento antidepressivo e com duas filhas, Jade e Billie, que levam toda a trama para a frente em dois momentos distintos do tempo.

Dá para entender, claro, o apelo do maior vilão da série de games como peça central da adaptação — isso já aconteceu antes, mas não com tanto destaque, na série de filmes realizada por Paul Anderson (Monster Hunter). Entretanto, chamou a atenção a fala do showrunner, Andrew Dabb (Supernatural), de que os eventos dos games seriam levados em conta em Resident Evil: A Série.

Isso significa, entre outras coisas, que Albert Wesker deveria estar morto. Ao abordar o tema, o criador deixou claro que haveria uma explicação para isso que não envolveria, simplesmente, uma sobrevivência ao que todos consideraram seu fim, em Resident Evil 5. Na série da Netflix, essa trama começa a se desenrolar a partir do sexto episódio e se torna um dos temas centrais da parte final desta primeira temporada, que estreou em 14 de julho.

Atenção: a partir daqui, o texto conterá spoilers de Resident Evil: A Série e também do game Resident Evil 5, lançado originalmente em 2009.

A morte de Albert Wesker

Presente desde o primeiro game da série, o vilão se tornou uma das principais engrenagens da máquina que envolve o fim da Umbrella e a guerra global contra o bioterrorismo. Após trair seus companheiros no primeiro Resident Evil, ele chegou a contribuir para o fim da própria empresa farmacêutica enquanto trabalhava ao lado de rivais dela, tudo como forma de delinear o seu próprio plano, que envolvia uma grande extinção.

Nos games, de traidor e ganancioso, Wesker se provou um eugenista. Seu plano maior, elemento principal de Resident Evil 5, era a liberação do parasita Uroboros na atmosfera terrestre, de forma que ele contaminasse todo o planeta. Do “Projeto Apocalipse”, como é chamado brevemente no game, restariam apenas os imunes, que o vilão via como a evolução da humanidade.

Dotado de poderes sobrehumanos desde que fingiu a própria morte durante o incidente da mansão, em 1998, o personagem descobriu pelo caminho que também era parte de um projeto do próprio criador da Umbrella, Ozwell Spencer. Também visando uma categoria avançada de seres humanos, ele criou as chamadas “Crianças Wesker”, selecionadas a dedo para receberem a melhor educação e incentivo para se tornarem excepcionais, antes de serem atraídas de volta para os rincões da Umbrella onde seriam contaminadas por vírus para ampliar ainda mais suas capacidades. Albert foi um dos únicos remanescentes.

No caminho do projeto de Wesker estava Chris Redfield, que sobreviveu ao incidente da mansão e se tornou um dos principais agentes na luta global contra o bioterrorismo. Ao lado de Sheva Alomar e de sua velha companheira, Jill Valentine, ele enfrenta Albert diretamente e acaba colocando fim não apenas aos planos do vilão como à própria existência dele.

Desesperado diante do iminente fracasso, Wesker infecta a si mesmo com Uroboros, enquanto o jato que liberaria o patógeno na atmosfera cai em um vulcão — o fogo é a grande vulnerabilidade do parasita. Após uma batalha, o antagonista de toda a série não somente é jogado na lava, como é atingido diretamente por dois torpedos. Morria em Resident Evil 5, um dos games mais grandiosos da franquia, seu principal vilão.

Como Albert Wesker sobreviveu?

A presença do personagem em Resident Evil: A Série é uma mistura de conceitos vistos nos jogos e, também, nos filmes protagonizados por Milla Jovovich (O Quinto Elemento). O pai de Billie e Jade Wesker não é o mesmo personagem que conhecemos nos jogos, mas sim um clone dele, criado como parte de um projeto pessoal focado na obtenção da imortalidade.

<em>Albert Wesker (Reddick) é um dos principais cientistas da nova versão da Umbrella, liderada por Evelyn Marcus (Nuñez), e também um dos grandes mistérios de Resident Evil: A Série (Imagem: Divulgação/Netflix)</em>
Albert Wesker (Reddick) é um dos principais cientistas da nova versão da Umbrella, liderada por Evelyn Marcus (Nuñez), e também um dos grandes mistérios de Resident Evil: A Série (Imagem: Divulgação/Netflix)

O personagem central da série, no fim das contas, é Al, uma das três cópias do Wesker original, que passam a ser chamadas de Bert e Alby em Resident Evil: A Série. Elas cresceram de forma absurdamente rápida, chegando à idade adulta em questão de meses, e permaneciam isoladas em um laboratório mantido pelo vilão nas Montanhas Arklay, onde também ficava a mansão do primeiro game da série.

O alto nível de inteligência era comum entre eles, mas praticamente a única semelhança, também, com o Wesker original. Mal deu tempo de conhecermos a personalidade de Alby, morto pelo próprio criador como forma de ocultar provas de seu projeto secreto depois que a CEO da empresa, Evelyn (Paola Nuñez) os descobriu; Bert, enquanto isso, era mais violento, jocoso e psicótico, e Al era o mais próximo de seu criador, mas com uma humanidade que ele jamais possuiu.

Foi essa abordagem calma e ponderada que fez com que se tornasse o “substituto”, auxiliando a executiva na retomada da Umbrella e no desenvolvimento do antidepressivo Joy. Ele vivia uma vida de liberdade relativa, sendo realocado em determinado momento para a cidade de New Raccoon City e se tornando um membro ativo da comunidade, sem que quase ninguém conhecesse seu segredo — e, aparentemente, o histórico carregado por seu nome.

<em>Resident Evil: A Série até tenta levar em conta alguns eventos vistos na série de games, mas manipula conceitos e adiciona elementos onde os fãs sabem que nada jamais existiu (Imagem: Divulgação/Netflix)</em>
Resident Evil: A Série até tenta levar em conta alguns eventos vistos na série de games, mas manipula conceitos e adiciona elementos onde os fãs sabem que nada jamais existiu (Imagem: Divulgação/Netflix)

O crescimento acelerado, porém, tinha seus revezes, com todos os clones se vendo obrigado a tomarem doses virais de tempos em tempos, em uma frequência cada vez maior. É aqui que entram Jade e Billie, criadas geneticamente e adotadas por Al Wesker para serem fornecedoras constantes das doses que ele necessitava para se manter vivo — elas descobrem isso na adolescência, durante os eventos de Resident Evil: A Série.

Bert, por sua vez, passaria os 17 anos seguintes preso, enquanto experimentos da própria Umbrella o manteriam relativamente saudável, ainda que não tanto quanto Al. Em um momento de desespero, Evelyn acaba o liberado e o colocando para cuidar de um projeto “secreto”, uma criatura que se assemelha ao Tyrant, uma criatura bem conhecida dos games, que acaba sendo libertada depois que Al sacrifica a própria vida para salvar as filhas e destruir o laboratório de New Raccoon City.

<em>Criatura misteriosa que escapa ao final de Resident Evil: A Série pode ter dado origem ao apocalipse e muitos fãs acreditam ser o que restou do Wesker original (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)</em>
Criatura misteriosa que escapa ao final de Resident Evil: A Série pode ter dado origem ao apocalipse e muitos fãs acreditam ser o que restou do Wesker original (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Apesar de o seriado considerar, na realidade, poucos eventos dos jogos, ela efetivamente leva em conta que o Wesker original morreu em 2009, nos eventos de Resident Evil 5. Ou não, já que teorias de fãs apontam que o projeto especial de Evelyn, na realidade, seria o próprio vilão, retrabalhado a partir do que restou dele após o combate com Chris, Jill e Sheva. Uma pergunta que, quem sabe, poderá ser respondida em uma eventual segunda temporada.

Ao final de Resident Evil: A Série, resta apenas Bert, que foge com as duas garotas. Ao final do primeiro ano, elas são instruídas a buscar uma personagem bem conhecida dos games, Ada Wong, que trabalho ao lado do Wesker original em tramas nada benéficas na série de games. Sabemos, também no seriado, que o “novo pai” morreu ao lado de Billie (Adeline Rudolph), perguntando por sua irmã, Jade (Ella Balinska), anos antes do 2036 em que a trama futurista se passa.

Resident Evil: A Série está disponível na Netflix, com oito episódios liberados de uma só vez. O serviço de streaming ainda não confirmou o lançamento de uma segunda temporada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos