Mercado abrirá em 6 h 36 min

Resgates do Tesouro Direto aumentam 84% em 2019

BERNARDO CARAM
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, BRASIL 03.01.2019 Funcionários colocam letreiro do Ministério da Economia, no prédio onde funcionava o do Trabalho. Este foi extinto e incorporado ao ministério da Economia, que substitui o da Fazenda (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os resgates de recursos do Tesouro Direto, programa de negociação de títulos públicos para pessoas físicas, registraram um salto de 83,6% em 2019 e superaram o valor das emissões no ano. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (27) pelo Tesouro Nacional.

O aumento do fluxo de saída de investidores ocorre em meio à redução da taxa Selic, hoje em 4,5%, o que derrubou a rentabilidade dos títulos públicos.

No ano passado, o volume das emissões de papéis foi de R$ 30,88 bilhões, uma alta de 72% em relação a 2018. A elevação, porém, não foi suficiente para compensar a disparada nas retiradas de recursos.

No período, os resgates somaram R$ 30,91 bilhões. Com isso, o resultado consolidado do ano foi um resgate líquido de R$ 33,28 milhões.

O número contrasta com o saldo do ano anterior, quando foi observada uma emissão líquida de R$ 1,1 bilhão. A maior parte das retiradas foram de resgates antecipados, quando o investidor devolve os títulos ao Tesouro antes da data de vencimento.

Em 2019, essas recompras totalizaram R$ 21,32 bilhões, enquanto os pagamentos no vencimento ficaram em R$ 9,59 bilhões.

Na avaliação de técnicos do Ministério da Economia, o aumento das retiradas de recursos pode ser explicado por fatores relacionados à queda na taxa básica de juros.

A redução da Selic levou a uma queda na rentabilidade dos títulos do governo. De um lado, donos de papéis emitidos no passado com rendimentos mais altos podem ter aproveitado o momento para vender esses títulos e ter lucro.

De outro, há um movimento de investidores que migram das aplicações no Tesouro para outras modalidades de investimento em busca de maior rentabilidade.

De acordo com o Tesouro, o número de investidores ativos no programa atingiu a marca de 1,2 milhão de pessoas em 2019. No ano, foram 414 mil novos aplicadores ativos, maior crescimento já registrado pelo órgão.