Mercado abrirá em 1 h 41 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,27
    +1,70 (+2,59%)
     
  • OURO

    1.774,60
    -9,70 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    56.661,36
    -410,75 (-0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.445,73
    -23,35 (-1,59%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.125,28
    -43,40 (-0,61%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.941,75
    +72,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4085
    -0,0383 (-0,59%)
     

Reservatórios do Centro-Sul enchem mais do que o esperado em outubro

·3 min de leitura
*ARQUIVO* PORECATU,PR - 4/12/2020 - Estiagem longa e longo período sem fortes chuvas provocaram o esvaziamento do rio Paranapanema, na divisa dos estados de São Paulo e Paraná, baixando o nível de água do reservatório da Usina Hidrelétrica de Capivara. Margens do Ribeirão Vermelho ficam a mostra com o baixo nível da água, nas proximidades de sua foz com o Rio Paranapanema, no município de Porecatu. . (Foto: Rubens Cardia/Folhapress)
*ARQUIVO* PORECATU,PR - 4/12/2020 - Estiagem longa e longo período sem fortes chuvas provocaram o esvaziamento do rio Paranapanema, na divisa dos estados de São Paulo e Paraná, baixando o nível de água do reservatório da Usina Hidrelétrica de Capivara. Margens do Ribeirão Vermelho ficam a mostra com o baixo nível da água, nas proximidades de sua foz com o Rio Paranapanema, no município de Porecatu. . (Foto: Rubens Cardia/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Os reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste encheram mais do que o esperado em outubro, como reflexo das chuvas que caíram pelo país nas últimas semanas. A previsão é que o volume de chuvas continue acima da média em novembro.

Segundo o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), o nível dos reservatórios dessas duas regiões, consideradas a caixa d'água do setor elétrico brasileiro, fechou outubro em 18,2%, 1,5 ponto percentual acima do registrado no fim de setembro.

No início de outubro, o ONS esperava que os reservatórios dessas regiões fechassem o mês em 12,8%. Com a chegada das chuvas durante o mês, a previsão foi sendo revisada para cima. Na semana passada, era de 17,8%.

No Sul, o resultado do mês foi ainda melhor: alta de 23,4 pontos percentuais, com o nível chegando a 52% no fim de outubro. No início do mês, o ONS falava em 49,8%.

Os reservatórios do Norte e Nordeste tiveram queda de 14,5 e 3,9 pontos percentuais em outubro, mas o bom resultado das outras regiões fez com que o nível médio dos reservatórios do sistema interligado nacional fechasse o mês em 25,3%, alta de 1,2 ponto percentual.

Em sua programação mensal da operação, o ONS vê manutenção do cenário de recuperação nas principais bacias em novembro. No subsistema Sudeste e Centro-Oeste, o volume de chuvas deve chegar 106% da média histórica, elevando nível dos reservatórios para 18,7% no fim do mês.

No Sul, com chuvas abaixo da média, o nível deve cair a 45,6%. O Nordeste também deve ter chuvas abaixo da média, fechando o mês com 35,9% da capacidade de armazenamento de energia, queda de 0,7 ponto percentual.

A melhora do cenário reduz os riscos de apagões por falta de capacidade de atender a demanda, mas especialistas vêm alertando que a operação do sistema ainda demanda atenção, já que os níveis permanecem muito baixos, principalmente no Sudeste e Centro-Oeste.

Com a recuperação, os preços da energia continuam cedendo. O custo marginal de operação, que baliza as operações do ONS, caiu 41,56% na semana passada, para R$ 94,09 por MWh (megawatt-hora). O preço de liquidação de operações no mercado livre de energia chegou à média semanal de R$ 161,22 por MWh, contra R$ 177,38 na semana anterior.

Embora a queda de preços tenha contribuído para a mudança da bandeira tarifária cobrada de clientes tarifários para o patamar amarelo, mais barata, a maior parte dos consumidores não deve ver impactos em sua conta de luz neste momento, pois o governo continua acionando todo o parque térmico disponível.

Os modelos de precificação de energia vêm sendo criticados por especialistas e grandes consumidores por não conseguirem retratar a dimensão da crise energética ao perceberem de forma mais intensa a previsão de chuvas do que o nível dos reservatórios.

O governo vem, inclusive, negociando um novo empréstimo ao setor elétrico para cobrir o rombo provocado pelo aumento dos preços dos combustíveis usados pelas térmicas, já que os R$ 14,20 por 100 kWh (quilowatts-hora) da bandeira tarifária de escassez hídrica já não paga toda a geração necessária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos