Mercado fechado

Reservas de hotéis aumentam nos EUA após aprovação de vacina

Eric Rosen
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Na última semana, uma janela parece ter sido aberta para o abalado setor hoteleiro. Em 11 de dezembro, mesmo dia em que a vacina da Pfizer foi aprovada para uso pela agência FDA, o número de reservas feitas nos sites do Marriott, Intercontinental Hotel Group, Kayak e Priceline - entre outros nomes importantes do setor - aumentou repentinamente e de forma abrupta.

De acordo com a RateGain, empresa de tecnologia de viagens que administra reservas para as marcas mencionadas, bem como Hotwire, Trivago, Hyatt e Accor, na última sexta-feira foi registrado o maior número de reservas diárias desde o início da pandemia em março, com 9.512 transações processadas nos EUA, em todos seus sites parceiros. Esse número é até comparável às vendas de um dia típico em novembro e dezembro de 2019, que geralmente registra entre 8.500 a 10.000 reservas; o dia mais movimentado de dezembro registrou 12.117 reservas.

Tudo isso é promissor e representa um aumento significativo em relação ao número típico de reservas diárias que a RateGain registrou durante grande parte dos dois meses anteriores. A média recente oscilou em torno de 5.500; desde 11 de dezembro, as reservas permaneceram entre 22% a 56% maiores do que essa média. Outros picos de atividade nos últimos oito meses foram relacionados às viagens do feriado de Ação de Graças e à vitória de Joe Biden nas eleições nos Estados Unidos, embora nenhum tenha durado mais do que um ou dois dias - nem ultrapassou 7.000 reservas em qualquer período de 24 horas.

Chinmay Sharma, presidente da empresa, diz que as reservas representam em grande parte destinos domésticos de clima quente: os principais mercados incluem Orlando, Houston, Atlanta e Austin, no Texas.

Se essas reservas são viagens para visitar a família, férias de lazer ou de negócios é mais difícil de entender. Em geral, os agentes de viagens e sites de reservas online observam uma mudança no comportamento do consumidor, que prioriza as reservas de última hora - o que ajuda a evitar cancelamentos e mudanças decorrentes de restrições. Isso significa que 11 de dezembro pode ter sido a última oportunidade percebida para programar viagens para o Natal.

Mas Sharma acredita que algo mais está em jogo. Embora a maioria das reservas de sua empresa tenha ocorrido 10 dias antes da partida, ele diz que “uma proporção saudável das reservas está sendo feita para 2021”. Algumas dessas viagens estão sendo planejadas para o verão, mas a maioria, explica, “é entre agora e março”.

Os dados estão de acordo com as previsões feitas pelo CEO da Expedia, Peter Kern. Em entrevista à Bloomberg em novembro, ele disse que a notícia de uma vacina iminente - em vez da própria vacina - é que impulsionaria as viagens novamente. “As pessoas vão pensar: ‘Bem, no verão a Europa pode estar aberta, ou eu posso ter a vacina, então vamos agendar’”, disse.

“Esperamos que as viagens de longa distância comecem a se recuperar lentamente, já que a confiança do consumidor parece estar aumentando com as vacinas sendo lançadas”, disse Sharma, da RateGain.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.