Mercado fechará em 2 h 37 min
  • BOVESPA

    121.293,52
    +587,62 (+0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.115,09
    +285,78 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,28
    +1,46 (+2,29%)
     
  • OURO

    1.838,60
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    50.814,21
    +2.202,22 (+4,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.422,10
    +63,54 (+4,68%)
     
  • S&P500

    4.171,90
    +59,40 (+1,44%)
     
  • DOW JONES

    34.368,77
    +347,32 (+1,02%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.360,25
    +260,00 (+1,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3874
    -0,0251 (-0,39%)
     

Repressão da junta militar birmanesa provocou deslocamento de 250.000 pessoas

·1 minuto de leitura
Mulheres protestam contra o golpe militar em Dawei (Mianmar)

A repressão da junta militar birmanesa contra os manifestantes pró-democracia provocou o deslocamento de 250.000 pessoas em Mianmar, afirmou nesta quarta-feira (21) o emissário da ONU.

Desde o golpe de 1º de fevereiro, a junta reprime com violência o movimento de desobediência civil, que exige a restauração da democracia e uma participação maior das minorias étnicas no poder, com um balanço de pelo menos 738 mortos e a detenção de 3.300 ativistas, de acordo com organizações locais.

"Estou horrorizado de saber (...) que os ataques da junta provocaram o deslocamento de 250.000 pessoas", tuitou o enviado especial da ONU para a situação dos direitos humanos em Mianmar, Tom Andrews.

"O mundo deve agir imediatamente para abordar esta catástrofe humanitária", completou.

Uma reunião especial de países do Sudeste Asiático, prevista para sábado em Jacarta, examinará a situação em Mianmar.

O comandante da junta militar de Mianmar, Min Aung Hlaing, pretende participar no encontro de cúpula.

"Min Aung Hlaing, que enfrenta sanções internacionais por seu papel nas atrocidades dos militares e na brutal repressão do movimento pró-democracia, não deveria ser bem-vindo em uma reunião intergovernamental que abordará uma situação que ele contribuiu para criar", afirmou o representante da organização Human Rights Watch, Brad Adams.

bur-lpm/oho/me/zm/fp