Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,29
    +0,01 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.712,70
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    50.843,32
    +2.470,02 (+5,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.017,01
    +28,91 (+2,93%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.229,09
    -330,01 (-1,12%)
     
  • NASDAQ

    12.644,75
    -37,00 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7750
    -0,0037 (-0,05%)
     

Repórteres sem Fronteiras fazem campanha contra Bolsonaro e criticam desinformação durante a pandemia

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
Imagem de divulgação da campanha mostra o presidente Jair Bolsonaro nu, coberto com uma placa com os números de mortos e contagiados pelo coronavírus (Foto: Reprodução)
Imagem de divulgação da campanha mostra o presidente Jair Bolsonaro nu, coberto com uma placa com os números de mortos e contagiados pelo coronavírus (Foto: Reprodução)

A ONG Repórteres sem Fronteiras lançou nesta segunda-feira, 22, uma campanha contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com fortes críticas à desinformação durante a pandemia do coronavírus. Chamada “A verdade nua e crua”, a campanha mostra uma montagem com Bolsonaro nu, coberto por uma placa com o número de mortos e contagiados pela covid-19.

A iniciativa foi feita em parceria pela ONG e pela agência BETC Paris. O objetivo é reforçar a importância do jornalismo para garantir o acesso à informação confiável durante a pandemia.

Leia também

Christophe Deloire, Secretário-Geral da organização Repórteres sem Fronteiras, explica que a ideia é chocar as pessoas com a imagem, além de alertar sobre o perigo dos ataques do presidente contra a imprensa.

“Os ataques não são apenas moralmente intoleráveis, mas também perigosos para a população brasileira que se vê privada de informações vitais sobre a pandemia. O trabalho dos jornalistas é fundamental para relatar os fatos e informar as pessoas sobre a realidade da crise sanitária. Mais do que nunca, o direito à informação, intimamente ligado ao direito à saúde, deve ser defendido no Brasil”, declarou.

A ONG afirma que o trabalho da imprensa ficou ainda mais complexo depois de Jair Bolsonaro vencer as eleições, em 2018. “Insultos, difamação, estigmatização e humilhação de jornalistas passaram a ser a marca registrada do presidente do país. Sempre que informações contrárias aos seus interesses ou aos de sua administração se tornam públicas, ele não hesita em atacá-los com violência”, diz a organização em nota.

Em levantamento feito pela ONG, foram registados 580 ataques contra a imprensa só em 2020. No Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa, o Brasil ocupa a 107ª posição entre 180 países.