Mercado fechará em 58 mins
  • BOVESPA

    106.271,50
    -2.517,83 (-2,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.211,33
    -1.252,70 (-2,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,83
    -3,57 (-3,18%)
     
  • OURO

    1.816,50
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    29.193,54
    -614,28 (-2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    652,71
    -17,97 (-2,68%)
     
  • S&P500

    3.925,17
    -163,68 (-4,00%)
     
  • DOW JONES

    31.501,67
    -1.152,92 (-3,53%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.945,00
    -615,25 (-4,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2254
    +0,0150 (+0,29%)
     

República Centro-Africana adota bitcoin como moeda legal

A República Centro-Africana é o segundo país a adotar o bitcoin como moeda oficial, depois de El Salvador (AFP/Marco Bello) (Marco Bello)

A República Centro-Africana, segundo país menos desenvolvido do mundo de acordo com a ONU, adotou o bitcoin como moeda oficial ao lado do franco CFA e legalizou o uso de criptomoedas, anunciou nesta quarta-feira a presidência.

A Assembleia Nacional aprovou por unanimidade a lei "que rege a criptomoeda na República Centro-Africana" e o presidente Faustin Archange Touadéra a promulgou, informou em um comunicado o ministro de Estado e chefe de gabinete da presidência, Obed Namsio.

A República Centro-Africana é "o primeiro país da África a adotar o bitcoin como moeda de referência", segundo a mesma fonte, e o segundo no mundo depois que El Salvador fez o mesmo em 7 de setembro de 2021.

"Esta decisão coloca a República Centro-Africana no mapa dos países mais corajosos e visionários do mundo", afirmou a presidência do país, cenário de uma guerra civil há quase nove anos

No final de 2020, grupos armados que ocupavam dois terços do território do país iniciara uma ofensiva contra o governo do presidente Touadera, que pediu o apoio da Rússia.

Paramilitares russos, que já estavam no país desde 2018, deram suporte aos soldados centro-africanos para enfrentar a ofensiva rebelde.

A ONU, várias ONGs internacionais e o governo da França, ex-potência colonial, denunciam com frequência os "crimes" cometidos por "mercenários" da empresa russa de segurança Wagner e pelos grupos rebeldes.

A lei foi aprovada por aclamação, mas alguns membros da oposição devem denunciar a norma na Corte Constitucional, afirmou à AFP Martin Zinguele, ex-primeiro-ministro e crítico do governo.

"Esta lei é uma maneira de sair do franco CFA com uma medida que esvazia a moeda comum de substância (...) não é uma prioridade para o país, o processo provoca perguntas: a quem beneficia o crime?", acrescentou.

"A presente lei tem o objetivo de controlar todas as transações relacionadas com as criptomoedas na República Centro-Africana, sem restrições (...) efetuadas por pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas", afirma o texto.

A lei menciona, entre outras, "as atividades de comércio online, todas as transações eletrônicas" ou "contribuições fiscais". A norma também prevê que "as negociações em criptomoedas não estão submetidas a impostos".

No momento, apenas El Salvador e a República Centro-Africana adotaram o bitcoin como moeda legal. Mas outros países estão pensando em fazer o mesmo e alguns até iniciaram mudanças legislativas, de acordo com o site especializado Coinmarketcap.com.

Na Ucrânia, por exemplo, o governou aceitou doações em criptomoedas e arrecadou mais de 100 milhões de dólares nos primeiros dias do conflito.

Mas os bancos centrais dos países ocidentais temem que as criptomoedas sejam usadas para driblar as sanções impostas à Rússia. Os pedidos de regulamentação internacional são cada vez mais intensos nos Estados Unidos e na Europa.

Outros países cogitam a possibilidade de criar a própria moeda digital, que seria centralizada.

bdl-dyg-gir/mar/zm/sag/mb/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos