Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    43.859,84
    -3.295,08 (-6,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7633
    +0,0244 (+0,36%)
     

Renova Energia vende projeto eólico à Prisma Capital por R$58,38 mi

·2 minuto de leitura
Parque eólico

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica Renova Energia, que tem a estatal mineira Cemig como principal acionista, fechou a venda de seu projeto eólico Alto Sertão III - Fase B à gestora Prisma Capital, por 58,38 milhões de reais.

O negócio foi selado em um leilão do ativo realizado nesta quinta-feira, em meio à recuperação judicial da Renova. Embora o certame ainda demande homologação, a KPMG, administradora judicial da Renova, confirmou a vitória da Prisma.

A comercializadora de eletricidade 2W Energia chegou a apresentar uma proposta de 110 milhões de reais pelo projeto eólico da Renova, mas previa pagamento em compensações de créditos. A Explora Investimentos ofertou 1 milhão de reais.

Além desses grupos, também haviam se habilitado para o leilão dos direitos e ativos do projeto Alto Sertão III - Fase B as elétricas Rio Energy, Copel e Omega.

A sócia da KPMG Osana Mendonça, que comandou a concorrência pelo ativo, transmitida online, destacou que a Renova busca levantar recursos, e que portanto não faria sentido aceitar uma proposta que envolvesse compensações ou encontros de contas.

"Declaro formalmente que a proposta de compensação com créditos apresentada pela 2W não é aceitável, fere as condições previstas no plano (de recuperação da Renova). A melhor proposta foi a da Prisma", afirmou, ao final da disputa.

A 2W previa pagar pelo empreendimento com utilização de termos de acordo de reconhecimento de dívidas detido por seu acionista Ricardo Lopes Delneri em face da Renova.

Delneri, controlador da 2W, foi um dos fundadores da Renova Energia. Ele vendeu toda a participação na empresa em dezembro de 2020, em negócio fechado com outro sócio fundador, Renato do Amaral Figueiredo.

A gestora Explora Investimentos, por sua vez, queixou-se de que não teria conseguido acessar documentos sobre os ativos à venda em prazo adequado, mas decidiu fazer uma oferta simbólica.

A advogada Fabiana Solano, sócia da Feslberg Advogados, que apoia a Renova em sua recuperação, rejeitou as acusações.

"Todas petições e pedidos da Explora foram respondidos, e respondidos dentro do prazo, negamos o descumprimento de prazos processuais."

O projeto eólico Alto Sertão III - Fase B envolve usinas eólicas com construção prevista na Bahia, cuja produção seria vendida no mercado livre de eletricidade --onde grandes consumidores como indústrias negociam seu suprimento e preços diretamente com empresas de energia.

A Fase B do parque eólico, que não teve obras iniciadas, teria capacidade instalada de 305 megawatts.

A Renova entrou com pedido de recuperação judicial no final de 2019, quando somava dívidas superiores a 3 bilhões de reais, boa parte dela com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

(Por Luciano Costa)