Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,42
    -0,55 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.748,60
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.107,95
    -884,14 (-1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.176,08
    -49,45 (-4,03%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.102,84
    -817,92 (-3,28%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.268,00
    -58,00 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1884
    -0,0110 (-0,18%)
     

Renovação da Comgás reduz competição e eleva tarifa de gás de outros estados, diz Economia

·4 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Seae (Secretaria de Advocacia da Concorrência e Competitividade) do Ministério da Economia avalia que a renovação da concessão da Comgás nos termos propostos pelo estado de São Paulo reduzirá a competição no setor de gás e impactará as tarifas pagas por consumidores de outros estados.

A análise está em parecer entregue pela Seae à Arsesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos de São Paulo) durante consulta pública para debater a proposta de dar à Cosan mais 20 anos de concessão dos serviços de gás canalizado da região metropolitana de São Paulo.

A Seae focou seus questionamentos no projeto do gasoduto Subida da Serra, principal investimento do novo contrato de concessão proposto, que levará à área da concessionária gás natural importado pelo litoral paulista ou produzido na Bacia de Santos.

O contrato prevê ainda a interconexão das três concessionárias de gás de São Paulo, formando o que o que o mercado chama de "ilha de gás". O governo João Doria (PSDB) defende que esse processo garante flexibilidade e menores preços para os consumidores do estado.

Para a Seae, porém, a proposta contraria a legislação ao permitir a construção de um gasoduto de transporte sem autorização da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) e terá consequências sobre todo o mercado brasileiro de gás.

"Em que pese inicialmente os investimentos de conexão direta da malha de distribuição às fontes de suprimento ocasionarem a redução do custo do gás para o consumidor de SP; posteriormente, há que se refletir sobre o aumento do custo do gás para os demais mercados que continuarão a utilizar a infraestrutura de transporte [do país]", diz o texto.

A secretaria do Ministério da Economia explica que a tarifa de transporte de gás está relacionada aos volumes movimentados pelos grandes gasodutos brasileiros. Com a retirada dos 16 milhões de metros cúbicos consumidos em São Paulo dessa conta, a tarifa para os demais usuários subirá 28%.

A Seae diz também que o projeto garante ao mesmo grupo econômico toda a estrutura de importação e transporte do gás ao interior do estado, o que pode limitar a competição pelo fornecimento do combustível.

Braço da Cosan para o mercado de gás natural, a Compass Gás e Energia controla a Comgás e lidera os projetos de construção de um terminal de importação de gás liquefeito e de um duto liguando reservas do pré-sal ao litoral paulista.

A empresa está comprando ainda a participação da Petrobras na Gaspetro, empresa que tem presença em 19 distribuidoras estaduais de gás canalizado. Com a operação, passa a ter gestão sobre dois terços do volume de gás negociado no país.

"Essa conexão restringe a concorrência na venda de gás, uma vez que tende a isolar os consumidores paulistas com suprimento por determinadas fontes de oferta, limitando os ganhos concorrenciais e, consequentemente, de eficiência econômica", diz a secretaria, em seu parecer.

A proposta da "ilha de gás" já vinha sendo questionada por grandes consumidores do combustível, transportadores de gás e produtores de petróleo.

A concessão da Comgás vence em 2029. Para aprovar a prorrogação, o governo de São Paulo incluiu no contrato investimentos de R$ 4,1 bilhões entre 2024 e 2029, período em que a concessionária teria que gastar apenas R$ 360 milhões pelo contrato atual.

Para o restante da concessão, entre 2025 e 2049, seriam mais R$ 21 bilhões. A Secretaria de Infraestrutura de São Paulo defende que os aportes são fundamentais para viabilizar a produção de campos do pré-sal no litoral paulista.

Em audiência pública sobre o tema no fim de julho, houve embate entre o poder público e consumidores da distribuidora de gás encanado, principalmente os industriais. Enquanto prefeitos e parlamentares se posicionaram a favor, os últimos questionaram a pressa no processo.

A Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) também vem apoiando publicamente a renovação, que foi proposta pela própria Comgás em 2019. "O momento é oportuno. O atual concessionário demonstrou expertise no negócio", escreveu nesta Folha Carlos Cavalcanti, um dos vice-presidentes da entidade.

Os consumidores questionam outros pontos do projeto, como cálculos de valores devidos à concessionária por erros em revisões tarifárias e pedem mais tempo para analise de todas as informações.

No período de consulta pública, ganharam o apoio do Ministério Público de São Paulo, que afirmou que o prazo atual "é diminuto para uma questão tão complexa" e pediu mais 120 dias para debates.

Em nota, a Arsesp informou que a consulta pública ainda está em andamento e que a agência irá avaliar todas as contribuições recebida antes de finalizar o relatório, e que não cabe neste momento fazer declarações específicas sobre o tema.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos