Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,94
    -1,01 (-1,37%)
     
  • OURO

    1.810,90
    -6,30 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    39.629,81
    -1.847,40 (-4,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    965,97
    +16,07 (+1,69%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.081,17
    +48,87 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.017,00
    +61,25 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1960
    +0,0080 (+0,13%)
     

Renovação do auxílio emergencial por 3 meses pode ser anunciada nesta semana, diz Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de evento no Palácio do Planalto

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro deve anunciar nesta semana a renovação do auxílio emergencial por três meses, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira.

Em evento com representantes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Guedes também disse que o programa de treinamento de jovens dentro das empresas que está sendo formulado pela equipe econômica será 100% financiado pelo governo ao longo de 2021.

Nos próximos meses, segundo ele, a ideia é buscar a adesão de empresas interessadas, que pagariam uma complementação da bolsa aos jovens beneficiados.

"Nós renovamos o BEM, renovamos também o auxílio emergencial. Isso vai até 31 de julho, e agora o presidente deve anunciar, talvez ainda nesta semana, mais três meses de auxílio emergencial", disse Guedes.

Sobre o novo programa do Bônus de Inclusão Produtiva, Guedes reiterou que a ideia é capacitar 2 milhões de jovens. O governo pagará de 250 reais a 300 reais aos participantes, que receberiam treinamento no ambiente de trabalho. A ideia é que empresas façam um pagamento equivalente, mas o ministro afirmou que neste ano o custo ficará integralmente com o governo.

REDUÇÃO DE IMPOSTOS

Guedes afirmou que, com a retomada econômica, a arrecadação está tendo um crescimento "vigoroso", e o governo quer usar essa margem para reduzir impostos de forma imediata.

Ele citou o aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda, ressaltando que a ideia é duplicar a base de pessoas que não precisam pagar o tributo e, em compensação, passar a taxas os dividendos de empresas distribuídos às pessoas físicas.

O ministro também reiterou plano da equipe econômica de reduzir o IR para as empresas em cerca de 2,5% ao ano. Segundo Guedes, a média dessa tributação no mundo é hoje de 22%, e no Brasil ela supera 30%. "Queremos isso aí em torno de 25%", afirmou Guedes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos