Mercado fechará em 4 h 19 min
  • BOVESPA

    113.448,98
    +1.175,97 (+1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,30
    -0,60 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.938,60
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.109,26
    -51,83 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,89
    +5,10 (+0,98%)
     
  • S&P500

    4.027,34
    +9,57 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    33.733,18
    +16,09 (+0,05%)
     
  • FTSE

    7.753,39
    -31,48 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.009,75
    +41,75 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5228
    -0,0242 (-0,44%)
     

Renda média dos brasileiros sobe pela primeira vez em 12 meses

Renda média dos brasileiros sobe pela primeira vez em 12 meses
Renda média dos brasileiros sobe pela primeira vez em 12 meses
  • A renda média do trabalho em 22 regiões metropolitanas chegou a R$ 1.518,35 no segundo trimestre;

  • O valor representa uma alta de 4,8% em comparação aos 3 primeiros meses do ano;

  • Apesar da melhora, o indicador ainda é menor que antes da pandemia

A renda média do trabalho em 22 regiões metropolitanas chegou a R$ 1.518,35 no segundo trimestre, e melhorou pela primeira vez em 12 meses. Se comparado ao primeiro trimestre do ano, o valor representa uma alta de 4,8% maior aumento sendo esta a maior variação positiva do indicador desde o início da pandemia. Os dados integram a décima edição do Boletim Desigualdade nas Metrópoles.

Apesar da melhora na renda média dos brasileiros, o valor ainda não voltou aos patamares pré-covid. O valor é 6,5% menor do que o registrado no início de 2020, quando a renda estava em R$ 1.623,67. O menor valor registrado para o indicador ocorreu justamente no trimestre passado, quando marcou R$ 1.448,66.

"O boletim marca o fim de um ciclo, o que não significa que retornamos às mesmas condições que tínhamos antes da pandemia", diz André Salata, pesquisador da PUC-RS e um dos coordenadores do estudo

O estudo aponta que a recuperação foi mais significativa entre os mais pobres. No segundo trimestre de 2022, o segmento obteve R$ 250,64 de renda média, pouco abaixo do patamar anterior à pandemia, que era de R$ 251,75. Apesar de quase ter alcançados o nível pré-pandêmico, o grupo dos mais pobres vem perdendo poder de compra desde 2014, quando sua renda chegou a R$ 324,56.

O Boletim Desigualdade nas Metrópoles leva em consideração o rendimento domiciliar per capita vindo do trabalho nas 22 regiões metropolitanas do país. O estudo utiliza as informações da PNAD Contínua trimestral, do IBGE.

Confira o ranking da renda média por região metropolitana

  1. Distrito Federal: R$ 2.131,77

  2. Florianópolis: R$ 1.999,19

  3. São Paulo: R$ 1.822,81

  4. Curitiba: R$ 1.693,36

  5. Porto Alegre: R$ 1.595,06

  6. Rio de Janeiro: R$ 1.542,05

  7. Belo Horizonte: R$ 1.517,73

  8. Goiânia R$ 1.453,33

  9. Grande Vitória: R$ 1.434,93

  10. Vale do Rio Cuiabá: R$ 1296,17

  11. Belém: R$ 1.156,51

  12. Aracaju: R$ 1.154,25

  13. Natal: R$ 1.093,18

  14. Macapá: R$ 1.025,11

  15. Salvador: R$ 1.071,40

  16. Fortaleza: R$ 1.019,87

  17. Teresina: R$ 962,21

  18. João Pessoa: R$ 957,50

  19. Maceió: R$ 939,09

  20. Manaus: R$ 912,05

  21. Recife: R$ 849,24

  22. Grande São Luís: R$ 832,58