Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +0,38 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.782,80
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    66.149,08
    +2.059,01 (+3,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.353,25
    -24,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5196
    +0,0234 (+0,36%)
     

Renault prepara plano de demissão voluntária e lay-off em fábrica no Paraná

·2 minuto de leitura

A Renault vai precisar tomar medidas mais drásticas para conter a crise dos semicondutores. Em anúncio oficial, a montadora francesa avisou que entrou em acordo com os funcionários da fábrica de São José dos Pinhais (PR) para iniciar um processo de demissão voluntária (PDV) e demissão involuntária (PDI), além de um lay-off, que nada mais é do que a suspensão dos contratos de trabalho provisoriamente.

O objetivo da Renault é atingir uma redução de 550 postos de trabalho na planta paranaense, que hoje abriga 5 mil funcionários. A divisão, segundo a montadora, é de 250 pessoas via PDV, que receberiam, ao serem desligadas, pagamentos de 10 salários, verbas rescisórias e plano de saúde ativo por seis meses. Caso esse número não seja atingido, a empresa parte para o PDI, com pagamento de cinco salários, verbas rescisórias e convênio ativo por 4 meses.

Já para o lay-off, que não demite funcionários, mas ajusta a carga de trabalho e salários, a proposta é de que essas pessoas fiquem nesse regime por 5 meses com 85% do salário líquido na primeira turma. Quem aderir posteriormente terá 70% dos ganhos. A ideia da Renault é de atingir mais 300 pessoas com a suspensão dos contratos, podendo expandir o período caso necessário.

O Duster é um dos modelos fabricados pela Renault no Paraná (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)
O Duster é um dos modelos fabricados pela Renault no Paraná (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Confira abaixo o comunicado oficial da Renault:

"A Renault do Brasil informa que em função dos impactos provocados pela covid-19 na fabricação de componentes eletrônicos e da falta de perspectiva de melhora do cenário global, foram aprovadas em assembleia realizada pelo Sindicato em 29/09, medidas para enfrentamento desta situação, que incluem: PDV com saída estimada de 250 pessoas e realização de lay-off para cerca de 300 pessoas ao longo dos próximos meses conforme a necessidade".

A fábrica de São José dos Pinhais é responsável pela produção de carros como Sandero, Logan, Kwid, Duster, Captur, Duster Oroch, Master (comercial), além de componentes e motores. Não há previsão para o início dessas ações, que foram aprovadas por sindicatos locais. Recentemente, a Stellantis (Fiat, Jeep, Peugeot, Citroën), adotou caminho semelhante ao aprovar um lay-off para parte de seus funcionários em Betim (MG).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos