Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,28
    -0,73 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.787,50
    -3,70 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    23.241,31
    +217,09 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,21
    +5,98 (+1,12%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.233,99
    +58,12 (+0,21%)
     
  • NASDAQ

    13.190,25
    -38,50 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2538
    -0,0128 (-0,24%)
     

Remédios ficam mais caros nesta semana; entenda

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Pharmacist holding medicine box and capsule pack in pharmacy drugstore.
Reajuste não é em cima dos preços praticados pelas farmácias, mas do valor máximo autorizado

(Getty Images)

  • Preço dos remédios deve subir em abril deste ano;

  • Especialistas acreditam que o reajuste fique acima dos 10%;

  • Impacto deve ser diluído ao longo do primeiro semestre.

O preço dos remédios deve subir a partir de abril deste ano. Geralmente, os reajustes – que ainda serão divulgados pela CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) nesta semana- começam a ser praticados no 1º dia do mês.

Ao UOL, o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, explicou que a alta deve estar acima dos 10%. Isso porque espera-se que o fator Y venha na casa dos 2%, o que faz com que o reajuste nos medicamentos chegue até a 13%. O cálculo considera o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) – que aponta a inflação do país - e outros três fatores, sendo o Y responsável por medir os impactos de itens fora do IPCA.

“Esse reajuste deve entrar em vigor a partir de abril, mas ele não é um pulso, ele é um valor máximo permitido. O que significa que existe uma discricionariedade para as fabricantes repassarem os reajustes ou não ao consumidor", afirma.

De acordo com o economista, o impacto do reajuste deve ser diluído ao longo do primeiro semestre deste ano, sendo que 60% devem ser sentidos em abril, 30% em maio e 10% em junho.

Vale destacar que o reajuste não é em cima dos preços praticados pelas farmácias, mas do valor máximo autorizado.

Como economizar

Conforme apontado pelo UOL, há algumas formas de pagar mais barato nos remédios. Veja:

  • Pesquisar preços de medicamentos em mais de uma farmácia;

  • Procurar o remédio em diferentes unidades da mesma rede, pois os preços podem ser maiores em algumas regiões;

  • Aproveitar os descontos oferecidos por planos de saúde ou programas de fidelidade das farmácias e laboratórios;

  • Dar preferência a remédios genéricos;

  • Observar quais medicamentos estão cadastrados no programa Farmácia Popular, que oferece até 90% de desconto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos