Mercado abrirá em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,26
    -0,70 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.779,90
    +9,40 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    64.128,77
    +2.107,11 (+3,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.485,15
    +21,79 (+1,49%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.210,10
    -7,43 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.395,50
    -3,00 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5114
    +0,0152 (+0,23%)
     

Remédio para tratar covid pode ficar pronto no final do ano

·1 minuto de leitura

Desde que a pandemia começou, os especialistas têm se juntado em prol de duas soluções contra a covid-19: vacinas, que inclusive já estão em vigor em diversos países, e remédios, que ainda são motivo de análises e até controvérsias. No entanto, atualmente, pesquisadores estão desenvolvendo uma pílula que, segundo eles, pode permitir que as pessoas tratem a covid-19, contendo sua transmissão para outras pessoas. E detalhe: essa pílula pode estar pronta no final deste ano.

No momento, há três tratamentos antivirais para a doença em testes clínicos, de acordo com a NBC. O tratamento em si provavelmente seria um regime de pílulas diárias tomadas por via oral que combateriam a covid logo após o diagnóstico. Esses tratamentos funcionariam de forma semelhante aos antivirais usados ​​para combater as infecções da hepatite C, herpes, HIV e influenza, interrompendo a capacidade do vírus de se replicar no corpo humano.

Esses três medicamentos consistem em um da Merck e Ridgeback Biotherapeutics, um da Pfizer e outro da Roche e Atea Pharmaceuticals. Se os resultados dos testes forem positivos, o uso emergencial provavelmente será concedido nos EUA e a distribuição pode começar rapidamente, segundo Carl Diefenbach, um dos diretores do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, em entrevista à NBC.

(Imagem: HalGatewood/Unsplash)
(Imagem: HalGatewood/Unsplash)

No entanto, os pesquisadores afirmam que não tem sido uma tarefa fácil. Um contratempo encontrado é o recrutamento de participantes dispostos a tomar os medicamentos, uma vez que cada ensaio requer centenas de participantes em cinco dias após o teste positivo para covid. Os pacientes também precisam ser não vacinados e estar dispostos a se inscrever nos estudos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos