Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.976,24
    +905,70 (+1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Relembre a cronologia de um dos episódios mais violentos do Rio, que resultou em 28 mortes no Jacarezinho

·1 min de leitura

RIO — Por volta das 5h50 do dia 6 de maio, uma quinta-feira, cerca de 200 agentes saíram da Cidade da Polícia, localizada a cerca de cem metros do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, para uma operação. A ação resultou em 28 mortes e entrou para a história como a mais letal do Rio de Janeiro. A marca anterior era de uma ação no Complexo do Alemão, em 2007, quando 19 pessoas morreram.

Levantamento do GLOBO, com base nos microdados do Instituto de Segurança Pública (ISP), revela que, desde então, o dia mais letal em decorrência de operações policiais foi 15 de outubro do ano passado, com 25 homicídios, registrados em oito ações em locais diferentes do estado.

Um dos mortos foi o inspetor da Polícia Civil Leonardo de Mello Frias, de 48 anos, baleado na cabeça. Em plena pandemia e com uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) restringindo operações a casos “excepcionais”, a ação provocou críticas de especialistas de segurança e de entidades de defesa dos direitos humanos, como a Human Rights Watch, além de ser alvo de investigação pelo Ministério Público do Rio.

Poder de fogo:

Confira, a seguir, o passo a passo de um dos episódios mais violentos da história do Rio de Janeiro:

Mudança de versão:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos