Mercado fechará em 5 h 50 min

Relembre casos de mulheres assassinadas no Rio desde o ano passado

·19 min de leitura

RIO — Mortas por companheiros ou ex-companheiros que não aceitavam o fim do relacionamento ou por ciúmes. O caso mais recente de feminicídio foi o da adolescente Sabrina Mikaelly do Nascimento Silva, de 15 anos, morta, dia 16, com um tiro no pescoço, disparado pelo ex-namorado, Guilherme Vicente do Amaral, de 21, conhecido como Capetinha do Salgueiro. O rapaz não aceitou o fim do relacionamento com a jovem. Companheiros ou ex-companheiros representam 78,2% dos autores dos crimes. Os dados são da nova edição do Dossiê Mulher, do Instituto de Segurança Pública (ISP), apresentada nesta segunda-feira pelo governo estadual.

Ainda segundo o levantamento, em 2020, foram registrados 78 feminicídios. Um deles foi o da juíza Viviane Vieira do Amaral, de 45 anos, morta a facadas pelo ex-marido, Paulo José Arronenzi, 52, na véspera de Natal, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. As três filhas do casal presenciaram a cena. A seguir, relembre casos de feminicídio do ano passado e deste ano no estado.

Feminicídios 2020

Morta a facadas no Complexo do Alemão

Roberta Pedro de Oliveira, de 26 anos, foi assassinada na tarde de 29 de dezembro, na localidade das Casinhas, no Complexo do Alemão, Zona Norte da cidade. Paulo Soares, marido da vítima, foi preso pelo crime. A motivação do crime seria o fato de Paulo não aceitar o fim do relacionamento com Roberta. O casal teria tido uma discussão um dia antes. Depois disso, Roberta saiu de casa. Dia 29, a vítima voltou à casa, acompanhada da irmã, para buscar seus pertences. Foi quando Paulo a teria atacado a facadas. A irmã de Roberta também foi ferida na perna.

Juíza assassinada na frente das filhas

A juíza Viviane Vieira do Amaral, de 45 anos, foi morta a facadas pelo ex-marido, Paulo José Arronenzi, 52, na véspera de Natal do ano passado, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. As filhas pequenas — gêmeas de 7 anos e uma de 9 — presenciaram a cena. Ele foi preso. Segundo a Polícia Civil, Paulo já havia sido enquadrado na Lei Maria da Penha após denúncia de Viviane, em setembro de 2019. Ela chegou a ter escolta com dois carros de segurança, mas depois assinou um termo dispensando a proteção.

Espancada até a morte em Japeri

Dia 13 de dezembro, Dociene Lorraine Reis, de 27 anos, foi espancada até a morte pelo ex-marido, Rafael Santos Bellarmino, de 30 anos. Dociene estava na casa da mãe quando, por volta das 10h, Rafael apareceu e convenceu a jovem a ir até a residência onde os dois haviam morado juntos, no bairro Vila Central, em Japeri, na Baixada Fluminense, para que tivessem uma conversa.

Dociene aceitou. Dois dos quatro filhos da vítima, de 4 e 2 anos, foram junto com a mãe. Eles presenciaram a agressão. Foi a criança mais velha que foi até a casa de uma avó, que morava perto, para pedir socorro. Dociene chegou a ser levada para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, naquele município, também na Baixada, mas morreu no dia seguinte. Rafael foi preso dia 19 de janeiro por policiais da 63ª DP (Japeri). Ele foi localizado em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo.

Morta após ser mantida refém

A cirurgiã-dentista Mayara Pereira de Oliveira, de 31 anos, foi mantida refém e depois baleada pelo namorado, Janitom Celso Rosa Amorim, de 39 anos, no estacionamento de uma universidade em Valença, no Sul Fluminense, dia 27 de novembro. Mayara ficou 2h30 em poder do namorado, dentro do próprio carro, na área de estacionamento. Ainda durante a negociação preliminar com a polícia, Janitom atirou contra a vítima. A dentista foi atingida na boca e levada para o Hospital Escola da própria universidade, mas teve quatro paradas cardíacas e não resistiu.

Assassinada a facadas pelo marido

Daniele Souza Gomes, de 37 anos, foi assassinada a facadas pelo marido, dia 27 de novembro, em Arraial do Cabo. Ela foi atingida diversas vezes no peito. O ataque aconteceu na frente de uma das três filhas do casal, de 15 anos, dentro de casa, no Centro da cidade. A vítima foi socorrida, mas não resistiu e morreu no hospital. Oslan Oliveira de Almeida, de 38 anos, foi preso em flagrante. Ele confessou o crime e disse que perdeu o controle porque descobriu que tinha sido traído. Segundo familiares, o casal estava em processo de separação.

Três mortes em dois dias

Dia 5 de novembro de 2020, Luiza Helena do Nascimento Silva, de 21 anos, foi assassinada a tiros, no bairro Sargento Roncalli, em Belford Roxo, Baixada Fluminense. Segundo a família da vítima, que deixa dois filhos, um de 1 ano e 11 meses e outro de apenas 6 meses, Luiza teria sido executada na frente das crianças.

Em Belford Roxo, Vanessa dos Santos, de 34 anos, foi encontrada morta por vizinhos, dia 6 de novembro de 2020. O corpo tinha sinais de facada e estava em um terreno baldio, próximo à casa onde ela vivia. Segundo testemunhas, o marido da vítima foi visto carregando o corpo de Vanessa em um carrinho de mão.

Hevelyn Sant'ana Rosa, de 17 anos, levou um tiro na cabeça, dia 5 de novembro, na comunidade Carobinha, em Campo Grande, Zona Oeste. De acordo com a Polícia Militar, Hevelyn foi encontrada ainda com vida e socorrida em uma UPA da região, mas morreu durante o atendimento. Ela estava em um carro com o suspeito do crime, o namorado, Alexandre Velozo Soares, conhecido como Novinho ou Xaropinho, de 27 anos. Segundo as investigações, o crime foi motivado por ciúmes, uma vez que Alexandre não aceitava o término da relação. A vítima já vinha recebendo ameaças de morte do suspeito.

Feminicídio e suicídio na Zona Oeste

O ex-diretor do Hospital Pedro II Antônio Carlos da Silva Pires, de 65 anos, foi considerado suspeito de matar a ex-mulher, a psicóloga Roseneia Gomes Machado, de 61 anos, dia 29 de outubro, dentro de um carro estacionado em um shopping no bairro de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Após atirar em Roseneia, o clínico geral tirou a própria vida. O casal teve uma união de 30 anos, mas se separou dois meses antes do crime, após ela pedir o divórcio. O médico estava inconformado com a separação e procurou Roseneia para tentar uma reconciliação.

PM matou mulher e atirou contra sogros

O policial militar Leandro Alves de Siqueira, de 37 anos, foi autuado em flagrante por feminicídio e duas tentativas de homicídio. Ele atirou contra sua mulher, Priscilla da Veiga Freitas, de 32 anos, dia 23 de setembro, e ainda baleou os sogros Valéria Vieira da Veiga, de 54 anos, e Marcelo de Almeida, de 43, padrasto de Priscilla. Logo em seguida, ele atirou contra a própria vida.

Segundo a polícia, a principal motivação do crime foi o ciúme. O policial suspeito afirmou que mantinha um relacionamento com Priscilla há quatro anos, entre idas e vindas, e eles têm um filho de dois anos. A vítima ainda tinha três filhos.

Manicure que desapareceu grávida é encontrada morta na Zona Oeste

A manicure Thaysa Campos dos Santos, de 23 anos, desapareceu na noite do dia 3 de setembro, quando estava grávida de oito meses de uma menina, que se chamaria Isabela. Seu corpo foi encontrado no dia 10 de setembro, já em estado de putrefação. Parentes e policiais que participaram da ação não encontraram vestígios do feto no local onde Thaysa foi abandonada sem vida. Uma imagem feita por uma câmera de segurança revela os últimos momentos de vida da manicure. Nas imagens, ela aparece sendo abordada por um homem, no leito da linha férrea, quando voltava da casa de uma amiga carregando uma bolsa de gestante. O corpo de Thaysa foi encontrado em um córrego, ao lado da linha férrea, em Deodoro, na Zona Oeste do Rio.

Morta após ser agredida por homem em feira na Baixada Fluminense

Amanda Nunes, de 30 anos, morreu dia 31 de agosto de 2020, após ser atingida no rosto, um dia antes, após uma discussão na Feira de Areia Branca, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Ela chegou a ser internada no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), mas não resistiu. Segundo a polícia, Amanda foi lanchar em uma barraca de pastel e caldo de cana, por volta das 6h30. No local, havia um casal que teria chamado a mulher de gorda. Amanda ouviu, questionou o homem e eles começaram a discutir. O homem, segundo polícia, agrediu a vítima com um tapa no rosto. Amanda foi revidar e ele atirou em seu rosto.

Morta por companheiro dentro de carro

Um sargento reformado da Polícia Militar, de 72 anos, foi preso, dia 15 de junho, suspeito de matar a mulher, de 39, dentro de um carro, em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos. O crime aconteceu no bairro Praia Grande. O suspeito fugiu após atirar contra a vítima e se entregou horas depois. O casal morava em Maricá, também na Região dos Lagos, e estava em Arraial do Cabo havia um mês.

Asfixiada pelo marido

A arquiteta Thayane Nunes da Silva Santos, de 28 anos, foi asfixiada pelo marido, Gilton Santos Pinto. O homem estrangulou a mulher com as próprias mãos na casa do casal, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Gilson foi preso em Angra dos Reis, na Costa Verde, após fugir do local do crime e se envolver num acidente de carro. Houve uma discussão entre o casal e, em seguida, Gilton asfixiou Thayane. Uma prima da vítima chamou a polícia ao testemunhar uma discussão dos dois. A testemunha tentou arrombar uma janela ao ouvir os gritos da vítima, mas não conseguiu. Quando chegaram ao local, policiais encontraram a arquiteta já morta.

Homem arremessa mulher de prédio e se joga em seguida

Rosangela Pinto, de 52 anos, e Elias Silva, de 54, foram encontrados mortos por policiais militares, dia 25 de junho, após caírem de um prédio residencial, em Icaraí, na Zona Sul de Niterói. Vizinhos relataram à polícia que houve uma briga de um casal na varanda do apartamento, e a mulher foi arremessada. Em seguida, o homem teria pulado.

Assassinada pelo filho após discussão

Lúcia Regina Gomes Alves, de 69 anos, foi morta pelo próprio filho, Igor Gomes Moraes Alves, de 29 anos, na madrugada de 7 de junho. A motivação do crime teria sido o pedido de um lanche, de acordo com a polícia. Igor queria comer hambúrguer, mas a mãe não. Após o desentendimento, o suspeito teria espancado a idosa até a morte. Na Delegacia de Homicídios da capital, o rapaz descreveu que primeiro deu socos na cabeça da mãe, depois a asfixiou, colocou os dedos em seus olhos e, por fim, chutou a cabeça da idosa. O crime aconteceu no apartamento de Lúcia, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

Feminicídios 2021

Morta pelo ex-namorado

A adolescente Sabrina Mikaelly do Nascimento Silva, de 15 anos, foi morta, no último dia 16, com um tiro no pescoço, disparado pelo ex-namorado, identificado como Guilherme Vicente do Amaral, de 21. O rapaz, conhecido como Capetinha do Salgueiro, já tinha um mandado de prisão em aberto por roubo e estava foragido desde 2019. Ele não teria aceitado o fim do relacionamento com a jovem. O corpo de Sabrina foi encontrado numa escadaria na Rua Joaquim Pizarro, no Morro do Turano, às 5h30 do último sábado.

Morta por namorado na saída de baile funk

k na Vila do João, no Complexo da Maré. De acordo com a Delegacia de Homicídios, Patrick teria sido morto por traficantes depois de assassinar a jovem. O casal teria discutido, quando Patrick sacou uma pistola e fez os disparos. Nesse momento, a irmã de Débora teria tentado impedir a agressão e acabou sendo baleada.

Mulher é morta por marido, que também mata sua mãe e atira contra seu pai

A juíza de paz Nahaty Gomes de Mello, de 33 anos, que estava grávida de seis meses, e sua mãe, a terapeuta Rosemary Gomes de Mello, foram encontradas mortas a tiros na casa da família, no bairro do Cônego, em Nova Friburgo, dia 13 de agosto. O autor dos disparos seria o marido da juíza, Ricardo Pinheiro Juca, que foi preso pelos policiais, que o detiveram. Wellington Mello, de 75 anos, pai de Nahaty, também foi baleado.

Dubladora morta por economista

A dubladora Cristiane Louise de Paula da Silva, de 49 anos, foi morta dia 22 de julho, pelo economista Pedro Paulo Gonçalves Vasconcellos da Costa, de 27 anos, e a mãe dele, Eliane Gonçalves Vasconcellos da Costa, de 59 anos. Profissional de dublagem desde 1994, Cristiane era responsável, entre outras, pela voz da personagem Margarida, da Disney.

Pedro Paulo matou a dubladora e contou com o auxílio da mãe para esconder o corpo dela numa área de vegetação da Praia de Grumari, na Zona Oeste da cidade. Ao confessar o crime, Pedro Paulo disse estar agindo em legítima defesa a um transtorno mental da vítima, que, no momento dos fatos, estaria “possuída pelo demônio”. O corpo de Cristiane Louise estava envolto em lençóis e sacos de lixo e apresentava lesões causadas por facadas ou outro objeto cortante.

Ex-namorado jogou a mulher ainda viva da ponte

O corpo de Ingrid Silva, de 26 anos, foi localizado dia 2 de julho, em Itaguaí, na Baixada Fluminense.Seu ex-namorado, Miguel Ângelo Maia Pinho, foi preso, dia 6 de julho, por uma equipe de policiais da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Ele confessou o crime, e segundo a polícia, alegou ter jogado a vítima ainda viva de cima de uma ponte do Rio Guandu. O assassinato ocorreu após uma discussão entre vítima e suspeito, dia 24 de junho. Ingrid teria sido empurrada de uma ponte, na altura da antiga Rodovia Rio- São Paulo, em Itaguaí. Levado pela correnteza, o corpo de Ingrid, que de acordo com familiares tinha marcas de perfurações, só foi localizado pela polícia dia 2 de julho, na Ilha da Madeira, no mesmo município. Segundo a família da jovem, o suspeito não aceitava o fim de um relacionamento de cerca de seis meses que teve com a jovem.

Feminicídio e suicídio no Recreio

Dia 24 de junho, o policial civil Ulysses Carlos Pourchet, de 45 anos, matou a mulher, Janaína Castro Souza Pourchet, de 44, e depois se suicidou na frente do filho único, um adolescente de 12 anos. Janaína e Ulysses estavam casados há 15 anos. Em maio, eles comemoraram bodas de cristal.

Mulher morta a facadas por namorado, que também fere pais e filha da vítima

A vendedora Ana Caroline Pereira Lopes Felício, de 29 anos, foi morta a facadas, dia 8 de junho, no bairro Vista Alegre, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio. A filha dela, de 5 anos, e os pais de Ana Caroline, de 63 e 65 anos, ficaram feridos. O suspeito do crime é um homem que estava se relacionando com Ana Caroline há cerca de um ano. Marcus Vinícius Lemos Batista, de 42 anos, chegou a fugir, mas foi preso. Segundo a polícia, o casal estava junto havia mais de um ano. Ana tentou terminar, mas Marcus não aceitava. A menina de 5 anos foi golpeada três vezes no tórax. Já o idoso levou duas facadas no rosto e uma no peito. A mulher dele foi atingida no rosto.

Morta a facadas em shopping

A estudante Vitórya Melissa Mota, de 22 anos, foi morta a facadas, dia 2 de junho, na praça de alimentação de um shopping no Centro de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Ela chegou a ser socorrida, mas já chegou morta ao local. Matheus dos Santos da Silva, de 21 anos, apontado como autor do crime, foi preso em flagrante por feminicídio momentos depois do fato. De acordo com a Polícia Civil, Vitórya e Matheus eram da mesma turma em um curso técnico de enfermagem, localizado próximo ao centro comercial, que era rotineiramente frequentado pelos alunos. Testemunhas relataram aos investigadores que o rapaz declarou-se à colega recentemente, mas o sentimento não foi correspondido.

Duas mortes no mesmo dia

Dia 23 de maio, Rosane Guimarães, de 21 anos, estava em uma festa no condomínio Jardim Ipê, no bairro Parque Roseiral, em Belford Roxo, Baixada Fluminense, quando foi atacada a tiros. Segundo testemunhas, o criminoso – um homem branco e magro - estava com o rosto coberto por um capuz e, após atirar na jovem, fugiu na garupa de uma moto. A mulher deixou três filhas.

Também dia 23, Ana Carolina Sá Vieira, de 15 anos, foi morta a pauladas, na comunidade JJ, em Tomás Coelho, Zona Norte. Segundo A adolescente estava em um baile funk quando teria sido abordada pelo ex-namorado, identificado como Alexsander de Oliveira Dionizio, de 25 anos. Ela se recusou a conversar com ele. O suspeito teria seguido Ana Carolina e a matado a pauladas em uma área de mata da favela. O corpo foi encontrado por um rapaz que procurava um cavalo no alto da comunidade.

Morta a facadas por ex-namorado

O mototaxista Davis de Araújo Coutinho, de 32 anos, matou a facadas a ex-namorada, a esteticista Jéssica Carla do Nascimento da Costa, de 30, em uma casa do bairro de Paciência, na Zona Oeste do Rio, dia 26 de abril. Ele ocultou o corpo em uma mata fechada na Serra do Matoso, em Itaguaí, na Baixada Fluminense. Davis chamou Jéssica para uma conversa. Para os investigadores, tudo não passou de uma emboscada. Segundo a polícia, o assassinato aconteceu após o suspeito não aceitar o fim do relacionamento. Dia 10 de maio, os restos mortais da jovem foram encontrados. Eles estavam em um saco plástico e enrolado por uma fita crepe.

Morta por homem que não aceitou fim do relacionamento

, no bairro Itaipu, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A vítima de feminicídio deu fim à relação duas semanas antes do crime, mas o ex-companheiro não aceitava o término, segundo a família, e tentou de todas as formas que reatassem. Conforme relato da irmã da jovem, Suelen Ferreira, a vítima foi surpreendida pelo ex-namorado por volta das 5h e acabou torturada até ser morta por volta das 10h.

Homem matou companheira e esfaqueou enteada em Paraty

Um homem foi preso em flagrante, dia 28 de fevereiro, acusado de ter matado a própria companheira a facadas em Paraty, na Costa Verde do Rio. Ele foi acusado de tentar assassinar a enteada, que tem 5 anos, também com golpes de faca. A menina precisou ser internada.

Encontrada morta três dias após conhecer homem

Uma mulher foi encontrada morta, dia 12 de janeiro, numa casa na Avenida Geremário Dantas, no bairro do Pechincha, na Zona Oeste do Rio. O corpo de Cláudia Cristina dos Santos Sacramento, de 46 anos, estava dentro de uma cama box, amarrado e coberto por um lençol. O suspeito da morte de Cláudia foi preso em São Paulo, dia 13. De acordo com parentes, Cláudia conheceu um homem, dia 9 de janeiro, num bar no Pechincha onde estava. Os dois conversaram, e ele a convidou para tomar cerveja em sua casa. Ela aceitou e, desde então, não foi mais vista. Preocupadas com a falta de notícias da mãe, as filhas de Cláudia mandaram mensagens para o celular dela. Dia 11, vizinhos sentiram um cheiro ruim vindo da casa do homem. Dia 13, uma equipe da PM foi ao local e encontrou o corpo. Ela tinha cortes nas mãos e uma ferida na cabeça. Cláudia tinha sete filhos.

Morta a facadas dentro de casa

Hilda do Nascimento, de 65 anos, foi encontrada morta em casa, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, dia 10 de janeiro. O corpo tinha marca de facadas na barriga. A residência dela, na localidade conhecida como Largo do Bulufa, estava revirada. A idosa morava sozinha e era uma pessoa muito reservada.

Morta na frente da filha

, na localidade de Jardim Feo, no bairro de Barra do Imbuí. Segundo o laudo do Instituto Médico Legal, um tiro atingiu o coração, dois pegaram o braço, um entrou pela barriga, um acertou a cabeça e outro a perna da vítima.

Ela foi morta na frente da filha, de apenas 11 anos. O casal estava separado há três meses, e Natália entrou com uma medida protetiva contra o ex-marido. Segundo informações da família, o ex-marido estava inconformado por Natália não aceitar reatar o casamento. Natália havia assumido um novo relacionamento, o que revoltou o Alexsandro. Natália mandou uma foto ferida no rosto com mensagem escrita: "Chama a Polícia rápido... Socorro... Bombeiros... Rápido....". Foram as últimas palavras dela no celular para o namorado, que chegou ao mesmo tempo que a PM no local.

Também no dia 4, uma adolescente de 14 anos morreu, dia 4 de janeiro, após ser baleada no bairro do Condado, em Paraty, na Costa Verde do RJ. A jovem chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital.

Esquartejada por ex-namorado

, de um churrasco em que estava com amigos na favela Kelson’s, no Complexo da Penha, na Zona Norte do Rio.

No dia em que Bianca foi vista pela última vez, Dalton, armado de fuzil, invadiu uma casa onde ela dormia, na comunidade. O traficante chegou aos gritos: "abre a porta ou eu vou arrombar". O ex-namorado foi direto para o quarto, bateu com a coronha da arma na boca da jovem e a arrastou até um veículo Hyundai HB20 cinza, estacionado na porta do imóvel.

O corpo de Bianca estava esquartejado e foi encontrado por PMs dentro de um tonel à beira da Praia do Fundão, num ponto atrás do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, na Ilha, dia 12 de janeiro. Segundo a polícia, as tatuagens nas pernas e no tronco levantaram a suspeita de que se tratava da jovem desaparecida.

Morta a facadas no réveillon

Verônica Silvestre de Souza, de 32 anos, foi morta a facadas na virada de 2021, no bairro Boavista, em São Gonçalo, Região Metropolitana do estado. Logo após o réveillon, Michell da Silva Rocha se dirigiu a uma festa, na casa de um amigo. No local, havia bebida alcoólica liberada e a maioria dos convidados usava drogas. Houve um desentendimento do agressor com o anfitrião e com a vítima, quando ele esfaqueou a mulher até a morte.

Verônica chegou a ser levada para o Hospital Zé Garoto, mas já chegou sem vida. O suspeito foi preso dia 16 de março. Verônica deixou uma filha de 12 anos e não tinha qualquer envolvimento com o agressor

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos