Mercado fechado

Relatório aponta que Alexa não deu retorno financeiro esperado à Amazon

Worldwide Digital, área da Amazon que abrange a Alexa e Prime Video, teve saldo negativo com um rombo de US$ 3 bilhões somente no primeiro trimestre de 2022 (REUTERS/Mike Blake/Illustration)
Worldwide Digital, área da Amazon que abrange a Alexa e Prime Video, teve saldo negativo com um rombo de US$ 3 bilhões somente no primeiro trimestre de 2022 (REUTERS/Mike Blake/Illustration)
  • Relatório da Business Insider aponta que um dos entraves financeiros da Amazon é a Alexa;

  • Área responsável pelo assistente de voz teve saldo negativo com um rombo de US$ 3 bilhões somente no primeiro trimestre de 2022;

  • Colaborador da Amazon teria definido a Alexa como "uma falha colossal de imaginação".

As notícias que apontam que a Amazon não está em seus melhores dias têm sido frequentes. Além da suspensão da construção de novos armazéns e as demissões, um relatório da Business Insider aponta que um dos entraves financeiros da empresa é justamente um de seus produtos mais famosos, a Alexa.

De acordo com o documento e informações do portal TudoCelular, "além de não registrar lucro, a divisão 'Worldwide Digital', que abrange a Alexa e Prime Video, teve saldo negativo com um rombo de US$ 3 bilhões somente no primeiro trimestre de 2022, montante que equivale a R$ 16 bi na conversão direta".

Segundo a publicação, a falha na monetização da Alexa tem preocupado funcionários da companhia. Um colaborador teria definido o assistente de voz da Amazon como "uma falha colossal de imaginação" e "uma oportunidade desperdiçada".

Demissões em massa

De acordo com uma reportagem do New York Times, a Amazon planeja demitir cerca de 10.000 funcionários em seus setores corporativo e de tecnologia a partir deste mês.

Este será o maior número de cortes de empregos realizados em qualquer ponto da história da gigante do comércio eletrônico com sede em Seattle. A companhia estaria sentindo os efeitos do mau momento econômico que prejudica grandes empresas de tecnologia.

As demissões afetarão principalmente os envolvidos com projetos ligados ao assistente de voz Alexa da Amazon, bem como seus departamentos de varejo e recursos humanos, de acordo com o Times.

A empresa ainda não definiu um número específico de cortes de empregos, embora demitir 10.000 pessoas represente cerca de 3% de seu quadro de funcionários corporativos e menos de 1% de sua força de trabalho global de 1,5 milhão.