Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.572,90
    -1.685,06 (-4,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Relator de MP da Eletrobras quer apresentar texto nesta semana e votá-lo até a próxima

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O relator da medida provisória (MP) de privatização da Eletrobras no Senado, Marcos Rogério (DEM-RO), afirmou nesta terça-feira que se comprometeu com o governo federal a apresentar seu parecer ainda nesta semana, acrescentando que espera votá-lo no máximo até o início da próxima.

O cronograma mencionado pelo senador acompanha as expectativas do governo, que deseja ver a operação de capitalização da elétrica estatal aprovada antes do vencimento da MP, em 22 de junho.

Em entrevista coletiva após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Marcos Rogério disse ainda que está ouvindo sugestões, mas que a ideia é trabalhar com o texto aprovado pela Câmara dos Deputados sem grandes alterações.

"Estou ouvindo todos os setores, dialogando, ponderando, ouvindo o governo, ouvindo a agência reguladora. A partir dessas tratativas, vamos apresentar um relatório que vai procurar, no seu esforço maior, reunir as convergências", afirmou o senador.

Ele acrescentou que, se em algum ponto do relatórios houver divergências maiores entre os senadores, o tópico será levado a voto. Marcos Rogério também admitiu a possibilidade de acolher emendas ao texto, mas disse ainda não ter recebido propostas nesse sentido.

"Imagino que até amanhã a gente receba o conjunto das propostas de emenda. Não descarto a possibilidade de acolher emendas, é prerrogativa dos senadores... Mas o nosso esforço é trabalhar com base no texto que veio da Câmara, em que já há um entendimento com um governo, sem grandes alterações", disse ele.

Questionado sobre a manutenção de uma das polêmicas do texto original, que prevê a contratação obrigatória de usinas térmicas pelo governo, o senador se limitou a afirmar que está coletando sugestões de senadores e ouvindo as ponderações do setor elétrico.

(Por Gabriel Araujo)