Mercado abrirá em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,94
    +0,50 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.776,80
    +11,10 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    62.329,71
    +35,12 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.455,27
    +3,63 (+0,25%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.742,86
    +333,11 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.312,25
    +21,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4139
    +0,0224 (+0,35%)
     

Relator da desoneração da folha e Economia estudam alternativa a setores

·2 minuto de leitura
Congresso Nacional, em Brasília

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O relator de projeto que prorroga a desoneração da folha de pagamento de 17 setores econômicos, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), afirmou nesta quarta-feira, após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que ambos estudam uma alternativa para o tema de uma forma mais ampla.

Segundo o relator, essas conversas correm de forma paralela à discussão na Câmara, que deve aprovar a prorrogação da desoneração e garantir o incentivo a esses 17 setores já contemplados. Goergen fez questão de dizer que qualquer saída para aliviar a folha de pagamento do setor produtivo não será compensada pelo aumento de impostos ou pela criação de tributo nos moldes da antiga CPMF.

"Eu cada vez mais tenho a convicção que é prioridade, sim, para o Ministério da Economia, para o governo, encontrarmos uma saída definitiva. É claro que agora já há um pequeno desenho de uma proposta que possa ser construída, mas não é ainda uma conclusão", disse o deputado após a reunião com Guedes.

"A medida deverá ser estrutural e deverá ampliar os setores, com isto, aprovando, que estejam na desoneração e que tenham uma condição realmente de gerar empregos no Brasil", explicou.

"Paralelo a isso o projeto tramita lá na Câmara."

A ideia é que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa possa analisar o texto na próxima semana, de acordo com o relator, e já encaminhá-lo ao Senado, já que ele tramita em caráter terminativo. Caso isso não seja possível, explicou, já está preparado um "plano B", que consiste em um requerimento para conferir urgência à proposta caso ela seja obrigada a passar pelo plenário da Câmara.

"São paralelas as discussões... Esse projeto de lei tem um papel importantíssimo, que é dar a segurança e a tranquilidade de que os 17 setores não vão ficar desamparados", afirmou, lembrando do prazo exíguo para a aprovação da proposta, que tem grandes chances de ser vetada, vetos esses que precisarão ser derrubados pelo Congresso, o que também demanda tempo.

"Qualquer nova alternativa que é o que estamos tentando construir, não virá nesse projeto, virá em alguma outra medida", detalhou.

"Não há nenhuma discussão, em nenhum momento, sobre aumento de impostos e CPMF... isso seria um erro brutal", considerou o relator.

Goergen reconheceu, no entanto, que para efeito de compensação, dever haver "a substituição da forma de cobrar o imposto".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos